Lei da Falências: Senado aprova alterações hoje (25)

O Senado mantém as alterações da Lei de Falências votada pela Câmara dos Deputados em agosto. Texto segue para sanção do presidente.

A alteração da Lei da Falências teve aprovação do Senado nesta quarta-feira (25). A proposta em tramitação no Senado prevê a ampliação do financiamento  a empresas em recuperação judicial.

Sendo assim, a mudança é a condição de parcelamentos e descontos para pagamentos de dívidas tributárias, mas também a contratação de crédito por apresentação de plano de recuperação da empresa.

O Projeto de Lei nº 4.458 sugere a empresa em falência pode fazer contratos de empréstimos como tentativa de salvamento do negócio.

Além disso, a proposta estabelece a prorrogação de prazos para pagamentos de débitos tributários e a proibição de penhora ou busca e apreensão de bens da pessoa jurídica durante a fase de recuperação judicial. Mas também, estímulos a plano de recuperação e negociações entre credoras e a empresa.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Ademais, os senadores defendem que as mudanças na Lei de Falências são necessárias para recuperação da economia brasileira. Até a publicação deste texto, o relator, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), ainda não havia apresentado o relatório. Ao todo, senadores apresentaram 60 emendas ao projeto.

Por fim, a proposta de alterações na Lei de Falência já teve aprovação pelo Câmara dos Deputados em agosto. Com a aprovação do Senado, o texto segue para sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Lei de Falências

A aprovação das alterações na Lei de Falências também tem a defesa do ministro da Economia, Paulo Guedes. Sendo assim, a medida tem a intenção de impusionar a recuperação econômica em 2021, principalmente para empresas prejudicadas pela crise da covid-19.

“Nós vamos ter sucesso em transformar essa recuperação cíclica, que hoje é baseada no consumo, numa retomada do crescimento sustentável com base em investimentos”, afirmou Guedes, após uma reunião com o relator do projeto, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Além disso, o ministro declarou que “O Congresso é reformista. O Legislativo avança, apesar da pandemia”.

*Com informações de Uol e Agência Brasil

 

Pix: BC deve isentar multasde empresas até maio de 2021

Oito milionários que perderam tudo e decretaram falência

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes