‘Se pagar R$ 5 mil por mês, ninguém trabalha’, diz Bolsonaro sobre auxílio

Presidente sofre pressões para lançar uma nova rodada ou turbinar o Bolsa Família, que já está previsto em R$ 34,9 bilhões

Nesta quinta-feira (7), o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), afirmou a apoiadores que o governo federal não poderá continuar com o benefício do auxílio emergencial. Com a pressão para a retomada, então, parlamentares pressionam a União a lançar uma nova rodada ou turbinar o Bolsa Família.

 

Bolsonaro e auxílio emergencial

Na última quarta-feira (6), o candidato à presidência da Câmara Baleia Rossi (MDB-SP) dependeu a volta do auxílio emergencial ou um Bolsa Família maior, que já está previsto em R$ 34,9 bilhões. Seguido do candidato avulso Fábio Ramalho (MDB-MG), em entrevista ao Broadcast Político, que defendeu a retomada do pagamento.

“Qual país do mundo fez auxílio emergencial? Parecido foi nos Estados Unidos. Aqui, alguns querem torná-lo definitivo. Foram quase 68 milhões de pessoas. No começo, foram R$ 600. Vamos pagar para todo mundo R$ 5 mil por mês, ninguém trabalha mais, fica em casa”, afirmou após simpatizantes afirmarem que chefe do Planalto recebeu apoio no interior do Amazonas após o pagamento do auxílio.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Em suma, o auxílio emergencial, que já injetou R$ 293,8 bilhões na economia, e sua continuidade traria um custo extra aos cofres públicos em 2021. Criado originalmente para durar três meses, o auxílio emergencial teve prorrogação por duas parcelas ainda no valor de R$ 600. Dessa forma, a nova prorrogação garantiu parcelas de R$ 300 até dezembro. Com o fim, portanto, a proposta era a criação de um novo programa social, que sofreu veto.

Bolsonaro criticou, além da retomada do auxílio emergencial, o fechamento de atividades e a manutenção apenas de serviços essenciais. “Se começar a fechar tudo de novo, vai quebrar o Brasil. O Brasil vai se empobrecer. Um país pobre, de famintos, a gente não sabe o que vai acontecer”, afirmou o presidente

 

Pressões para retomada do auxílio

No dia 30 de dezembro, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já havia afirmado durante transmissão ao vivo pelas redes sociais que o benefício não deve ter continuidade em 2021. “Querem que a gente renove [o benefício do auxílio emergencial], mas a nossa capacidade de endividamento chegou ao limite” disse.

Em seu blog no G1, então, o comentarista da GloboNews Valdo Cruz informou que aliados de Bolsonaro pressionam pela prorrogação do auxílio. Mas assessores do presidente concluem que o benefício não deve ser renovado nas mesmas métricas que no ano passado e que já cumpriu seu objetivo. Ademais, o ministro da Economia, Paulo Guedes chegou a afirmar que o benefício poderia ser renovado em caso de uma segunda onda da Covid-19. Entretanto, mesmo com os aumentos de casos de contaminação pela doença no fim de 2020, ele negou a ocorrência dessa segunda onda.

 

Leia também:

O que sabemos sobre a prorrogação do auxílio emergencial 2021?

Governo pode bloquear Bolsa Família; veja em quais casos

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes