6 vezes em que o VAR gerou polêmica no Brasileirão 2020

VAR acumula pelo menos uma polêmica por rodada no início do Brasileirão; relembre as decisões mais contestadas do árbitro de vídeo

O VAR, sigla em inglês para árbitro assistente de vídeo, surgiu no Mundial de Clubes de 2016. Em seguida, começou a ser introduzido nas grandes ligas europeias. Depois de se destacar na Copa do Mundo de 2018, chegou ao Brasil no mesmo ano. Mas o VAR só estreou no Brasileirão em 2019. Ainda assim, está longe de ser unanimidade por aqui.

Como funciona o VAR?

Apenas quatro situações de jogo podem ter a participação do VAR: gols, pênaltis, cartão vermelho e confusão na identificação de jogadores. Todos os outros lances que não envolvam situações capitais da partida são de responsabilidade exclusiva do árbitro da partida.

A equipe do VAR fica em uma cabine dentro do estádio. O árbitro VAR analisa todos os lances com a ajuda de um assistente, um operador de vídeo e um supervisor de impedimento.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Ao perceber algum erro claro, a equipe deve avisar o árbitro pelo ponto eletrônico. Só então ele vai até o monitor para rever o lance. A decisão final, portanto, é sempre do árbitro de campo.

VAR no Brasileirão 2020

Neste ano, a CBF pretendia inaugurar uma central remota do VAR na sede da entidade no Rio de Janeiro. No entanto, devido à pandemia, a instalação não foi possível por problemas de logística. Assim, as equipes do VAR continuam posicionadas nas cabines dos estádios.

No entanto, as salas do VAR devem cumprir uma série de medidas de prevenção contra o contágio de covid-19, como a utilização de divisórias de acrílico entre os profissionais, além do uso obrigatório de máscaras.

O que não mudou no Brasileirão 2020 em relação ao VAR foi a desconfiança do torcedor e as frequentes controvérsias de arbitragem, que só aumentaram apesar do auxílio do vídeo. No primeiro mês da competição, houve praticamente uma polêmica por rodada. Veja a seguir algumas delas:

Botafogo x Inter

Equipamento do VAR é derrubado por Gatito Fernández, do Botafogo
Reprodução/Premiere

A cena que marcou a sexta rodada do Brasileirão 2020 foi o goleiro do Botafogo, Gatito Fernández, chutando o equipamento do VAR após a derrota por 2 a 0 para o Internacional no estádio Nilton Santos.

Os botafoguenses reclamaram muito depois que o VAR apontou falta no início da jogada do que seria o gol de empate do Botafogo, quando o Inter vencia por 1 a 0. Afinal, foi um lance de interpretação, e o vídeo só deve ajudar em erros evidentes.

Pelo Instagram, Gatito se disse arrependido pela atitude e disse que o problema não está na tecnologia. “O VAR chegou para ficar e está ajudando bastante o futebol no Brasil e em todo o mundo. O que não pode acontecer é termos profissionais completamente despreparados para usar tal ferramenta”, escreveu o goleiro.

Santos x Flamengo

O VAR também foi o assunto principal da vitória do Flamengo sobre o Santos por 1 a 0 na Vila Belmiro. O time da casa teve dois gols anulados pelo árbitro de vídeo no primeiro tempo.

Por causa da grande demora para definir as marcações, o árbitro Wilton Pereira Sampaio chegou a dar dez minutos de acréscimo. No segundo tempo, o Flamengo acabou fazendo o gol da vitória. Após a partida, o técnico do Santos, Cuca, afirmou que “existem mais dúvidas hoje com o VAR do que havia antes dele”.

Flamengo x Grêmio

Pela quarta rodada do Brasileirão, o Grêmio vencia o Flamengo no Maracanã por 1 a 0 até os 43 minutos do segundo tempo. Foi quando o VAR avisou o árbitro que a bola bateu na mão do zagueiro Kannemann após chute de Gabigol. Pênalti para o Flamengo, que o próprio atacante converteu, garantindo o empate. O lance gerou reclamações dos jogadores gremistas, pois a bola teria batido na cabeça do zagueiro antes de pegar na mão.

Grêmio x Corinthians

Jô é derrubado por Kannemann dentro da área
Rodrigo Coca/Agência Corinthians

O atacante Jô, do Corinthians, reclamou bastante após ser derrubado dentro da área pelo zagueiro Kannemann no primeiro tempo da partida válida pela terceira rodada do Brasileirão. O juiz não marcou nada, e nem chegou a rever o lance no vídeo. Mas, no segundo tempo, em lance parecido a favor do Grêmio, o árbitro Bruno Arleu de Araújo consultou o replay do VAR e assinalou a penalidade. No entanto, Diego Souza chutou para fora, e o jogo terminou empatado sem gols.

Corinthians x Coritiba

Depois da atuação do VAR na derrota por 3 a 1 para o Corinthians, o Coritiba chegou a enviar uma reclamação formal à CBF. Após uma bola levantada na área, o corintiano Léo Natel caiu, e Braulio da Silva Machado marcou pênalti mesmo sem revisar o lance. No entanto, depois que Wilson defendeu a cobrança de Jô, o VAR mandou voltar, pois o goleiro estaria adiantado. Aliás, Wilson defendeu também a segunda cobrança. Mas não adiantou, e o Coritiba, com um a menos, foi derrotado.

Athletico x Fluminense

O Fluminense venceu o Athletico por 1 a 0 na quinta rodada do Brasileirão, mas saiu reclamando de um gol anulado com a ajuda do VAR quando a partida ainda estava empatada. Apesar de ser um lance de interpretação, o árbitro Daniel Nobre Bins foi ao monitor revisar uma suposta falta na origem do lance, e acabou invalidando o gol. O Fluminense ainda teria outro gol anulado, mas por impedimento claro assinalado pelo VAR.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes