Final do Paulistão: por que palmeirenses protestaram contra a escolha do árbitro

Após Luiz Flávio de Oliveira ser escalado para apitar a final do Paulistão, torcedores foram reclamar na sede da federação

Os torcedores do Palmeiras não reagiram muito bem à escolha de Luiz Flávio de Oliveira como árbitro da final do Paulistão contra o Corinthians, marcada para sábado (7), às 16h30, no Allianz Parque. Os protestos começaram nas redes sociais e chegaram até a porta da Federação Paulista de Futebol (FPF), onde um grupo de palmeirenses exibiu uma faixa perguntando: “Cadê o sorteio no apito?”.

A partir desta edição do Campeonato Paulista, a escolha dos árbitros passou a ser feita pela própria comissão de arbitragem da FPF. O Palmeiras votou contra a mudança, mas já sabia desde o começo que não haveria mais sorteio. Então por que, afinal, os torcedores alviverdes reclamaram tanto da escolha de Luiz Flávio de Oliveira, experiente árbitro com a chancela da Fifa?

Para começar, os palmeirenses já estavam ressentidos com a arbitragem de Raphael Claus no jogo de ida da final do Paulistão, que terminou empatado em 0 a 0. Reclamaram de falta de coerência no lance em que Jô acertou uma solada em Gustavo Gómez, mas não foi expulso. A escolha de Luiz Flávio para a decisão só aumentou a revolta alviverde.

Histórico do árbitro da final do Paulistão

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O histórico de Luiz Flávio nos dérbis, no entanto, não tem tantas polêmicas. Ele já apitou outros cinco clássicos entre Palmeiras e Corinthians desde 2005, com três vitórias corintianas e duas palmeirenses. No último duelo, pelo Paulistão do ano passado, o Alvinegro levou a melhor em partida marcada pela expulsão de Deyverson após uma cusparada em Richard.

A desconfiança dos palmeirenses com o árbitro da final do Paulistão remete à decisão da Copa do Brasil de 2015, quando Luiz Flávio de Oliveira deixou de marcar um pênalti sobre Lucas Barrios no jogo de ida. Na época, o então presidente Paulo Nobre chamou a decisão de vergonhosa. Ainda assim, no fim das contas, o Palmeiras se saiu campeão.

O principal motivo da rejeição a Luiz Flávio, no entanto, nem diz tanto respeito aos jogos do Palmeiras, mas sim quanto às suas atuações nos clássicos entre Corinthians e São Paulo. Tudo começou quando ele marcou dois pênaltis contra o Tricolor na vitória alvinegra por 3 a 2 pelo Brasileirão de 2014.

Em 2017, o árbitro validou um gol ilegal de Jô contra o São Paulo pelo estadual. Para completar, na final do Paulistão do ano passado, deixou de marcar um pênalti depois que a bola tocou na mão de Ralf, em lance que contou com a ajuda do VAR.

Irmãos árbitros

Além disso, Luiz Flávio de Oliveira é perseguido pelos rivais do Corinthians por ser irmão de Paulo César de Oliveira, ex-árbitro e hoje comentarista de TV. Paulo apitou a semifinal entre Palmeiras e Corinthians no Paulistão de 2011, jogo que entrou para o folclore do futebol brasileiro pela frase “fala muito”, dita pelo técnico Tite a Luiz Felipe Scolari.

Na ocasião, após um choque entre o corintiano Liedson e o alviverde Danilo, Paulo César de Oliveira resolveu expulsar apenas o jogador palmeirense. Felipão “falou muito”, e também acabou expulso. Depois do jogo, que terminou com classificação alvinegra nos pênaltis, o técnico do Palmeiras disse que o árbitro entrou “premeditado”. Paulo César chegou a processar Felipão por causa desta declaração. O treinador escapou de pagar indenização, mas foi suspenso por seis jogos.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes