Placar 29 a 0 escancara desnível estrutural do futebol feminino no país

Em partida válida pela segunda rodada do Campeonato Paulista, o São Paulo FC goleou o Taboão da Serra por 29 a 0. No entanto, a equipe da região metropolitana sofre com falta de apoio e sequer possui roupas para treinar.

Uma goleada histórica de 29 a 0 nesta quarta-feira (21) marcou a história do futebol feminino do São Paulo FC, mas também mostrou a desigualdade de estruturas e falta de investimentos que o principal esporte do país sofre na modalidade feminina.

Leia também: relembre os casos de racismo no futebol

Pela segunda rodada do Grupo 1 do Campeonato Paulista, a equipe do Tricolor enfrentou o Taboão da Serra, na Arena Barueri, e aplicou a goleada de 29 a 0.

A partida marcou a diferença técnica gigante entre as duas equipes. Enquanto as meninas do São Paulo disputam o Campeonato Brasileiro desde o início da temporada, o Taboão da Serra formou seu elenco recentemente e iniciou os treinos três dias antes do Estadual começar.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Quem anotou os gols na goleada de 29 a 0?

Ainda na primeira etapa, o Tricolor abriu 17 a 0 no placar. No entanto na etapa complementar, as meninas ainda fizeram mais 12 gols, sem perder o profissionalismo e desrespeitar as adversárias.

Os gols do São Paulo foram marcados por Kamilla (6), Duda (3), Giovaninha (3), Glaucia (2) Emily (4), Andressa (2), Giovanna, Dani, Carol (5), Pérolla e um contra.

Em entrevista à TV da Federação Paulista de Futebol (FPF), a volante Nini desabafou após a derrota de 29 a 0, e explicou a situação do clube.

“A gente sabia que seria difícil, o São Paulo vem treinando há muito tempo, inclusive durante a pandemia. Enquanto nosso time é um elenco muito jovem e praticamente nós não tivemos treino. Nós conseguimos um campo recentemente, treinamos três dias antes do início do Campeonato Paulista. Nesta semana tivemos mais dois dias de trabalho no campo, então é muito difícil jogar e posicionar taticamente.”

Volante Nini desabafou após a partida
Volante Nini desabafou após a partida (Foto: Reprodução/ TV FPF/Veja SP)

Ainda na entrevista, a volante contou que as meninas sequer possuem uniforme de treino e contam com pouco apoio do clube.

Além do mais, elas representam o CATs só para poderem participar da competição porque acreditam no potencial das jovens garotas, base do time.

“Mas em momento nenhum vamos desanimar. Infelizmente a gente usa a camisa do CATs, mas em pouca coisa o clube nos ajuda. É mais a vontade da comissão técnica mesmo, as atletas estão sem ganhar nada. Ninguém tem salário, ninguém tem condução, a gente não tem roupa de treino, não tem apoio nenhum do clube. A gente simplesmente usa o nome do clube para participar do Campeonato Paulista porque acredita que é uma oportunidade para as meninas mais novas”

Campeonato Paulista de futebol feminino

Após o 29 a 0, o São Paulo volta a campo neste domingo, para enfrentar o Realidade Jovem, às 14h, pela terceira rodada do Estadual.

Já as meninas do Tabõao encaram a Ferroviária, outra equipe de boa estruturas no feminino, em partida também no domingo (25), mas às 18h.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes