Planos de saúde vão cobrar retroativo; veja quem vai pagar mais caro

Medida de congelamento adotada em razão da pandemia de covid-19 afetou o reajuste anual e por faixa etária, e o valor poderá ser parcelado ao longo do ano

Em janeiro, o reajuste retroativo dos planos de saúde vai começar a ser cobrado de beneficiários de planos individuais/familiares e coletivos. As cobranças vão começar a incluir o aumento anual para 2021 previsto por lei, além do reajuste que deveria ter sido cobrado no período entre setembro a dezembro de 2020. O reajuste pode ficar entre 20% e 25%, segundo estimativas de técnicos da Fundação Getulio Vargas (FGV).

A agência informou que a decisão foi tomada “diante de um cenário de dificuldades para o consumidor em função da retração econômica acarretada pela pandemia, e de um cenário de redução de utilização dos serviços de saúde no período”.

Quais reajustes podem ser cobrados?

  • Anual adiado de 2020;
  • Anual de 2021;
  • Por fim, mudança de faixa etária.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Reajuste retroativo de planos de saúde

A suspensão da cobrança aconteceu em agosto, após críticas do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). Assim, o aumento das mensalidades foi congelado por quatro meses por determinação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A medida, que atingiu os reajustes anual e por faixa etária, foi adotada por causa da pandemia de covid-19 e o valor será parcelado ao longo de 2021.

Segundo especialistas, a medida apenas adiou o problema do consumidor. Além disso, com tratamentos eletivos suspensos, planos tiveram menos despesas. Conforme esclarecimento da ANS:  “Cabe esclarecer que o porcentual de reajuste autorizado para o período de maio de 2020 a abril de 2021 observou a variação de despesas assistenciais entre 2018 e 2019, período anterior à pandemia e que, portanto, não apresentou redução de utilização de serviços de saúde. Os efeitos da redução serão percebidos no reajuste referente a 2021.”

A Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), que representa 16 grupos de operadoras de planos e seguros privados de assistência à saúde e planos exclusivamente odontológicos, informou que as operadoras vão parcelar o valor em 12 vezes a partir de janeiro. Além disso, a entidade reforçou que o reajuste não tem relação com o período da pandemia.

Quem será afetado pelo reajuste?

O reajuste retroativo terá cobrança em razão da suspensão da cobrança anual e por mudança de faixa etária. Assim, a cobrança deve começar em janeiro e poderá ser paga em até 12 parcelas mensais. Entretanto, o reajuste de planos de saúde não afetou todos os usuários. De acordo com a ANS, a suspensão atingiu 20,2 milhões de beneficiários em relação ao reajuste anual por variação de custos e 5,3 milhões de beneficiários por mudança de faixa etária. Portanto, a medida não foi adotada nos seguintes casos:

  • Contratos antigos, anteriores à Lei nº 9.656/98;
  • Contratos de planos coletivos empresariais com 30 ou mais vidas que já tinham negociado e aplicado reajuste até 31 de agosto;
  • E, enfim, nos planos com 30 ou mais vidas em que a pessoa jurídica contratante optou por não ter o reajuste suspenso.

 

 

Leia também:

6 passos simples para escolher o melhor plano de saúde para você

Como fazer planos de saúde para MEI? Veja as condições

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes