China controla o Bitcoin? Mineração vale a pena no Brasil?

Existe um mito de que a China possui controle sobre a mineração de Bitcoins, no entanto, na prática não é bem isto que ocorre.

China controla o Bitcoin? Sim, ao menos quando falamos da mineração. Em suma, este processo utiliza computadores especialmente projetados para este fim. De fato, a atividade consome muita energia elétrica, portanto, é natural que fontes renováveis e baratas sejam preferidas.

Este é um dos motivos que levou a produção industrial para a China. Desse modo, aproveitando as usinas hidrelétricas e o baixo custo da energia, o país é responsável por quase 70% da atividade computacional por trás da criptomoeda.

O que é mineração de Bitcoin?

Em suma, é um processo matemático para encontrar uma solução para uma equação proposta. Estes computadores que fazem os cálculos possuem grande capacidade de processamento, e por isso demandam muita energia elétrica.

Na realidade, o processo é tão complexo que só é possível encontrar a solução na base da tentativa e erro. Em troca deste serviço, o minerador recebe 6,25 Bitcoins, algo em torno de R$ 1,25 milhão. Isso é bastante dinheiro, inclusive na China.

Calma! Lembre-se que são milhares de máquinas competindo por esta remuneração. Deste modo, parte da segurança da rede descentralizada do Bitcoin vêm deste processo.

Ficou confuso? No vídeo abaixo o pessoal da exchange Mercado Bitcoin explica isso em mais detalhes.

- PUBLICIDADE -

Como minerar Bitcoin?

Embora qualquer pessoa possa utilizar seu próprio celular, computador ou placa de vídeo para este fim, a potência destes processadores não é suficiente. Isso porque a cada 10 minutos, aproximadamente, estes mineradores encontram a solução da equação.

Leia também

NBA Top Shot movimenta R$ 200 milhões com cards em…

ETF de Bitcoin do Canadá atinge US$ 334 milhões; vale a pena…

Ou seja, todo o esforço computacional de quem chegou depois é perdido. Por isso, máquinas muito potentes, desenhadas especificamente para esta finalidade, são utilizadas. Conhecidas como ASICs, custam entre R$ 8 mil e R$ 19 mil cada, fabricadas em sua marioria na China.

A configuração da mesma é relativamente simples, porém o custo de energia é bem alto. Nesse sentido, grandes fazendas de mineração com centenas ou milhares de máquinas são usualmente instaladas próximas de fontes de energia barata.

Por que na China?

Primeiramente, o país é o maior fabricante de processadores de computador, a base do equipamento de mineração. Em seguida, existem regiões com abundância de energia elétrica de baixo custo, em função das hidrelétricas.

Entretanto, isso só é verdade no período de chuvas, portanto, existe uma migração das máquinas ao longo do ano. Deste modo, Rússia, Mongólia e Cazaquistão estão entre as regiões alternativas.

Mineradores da China controlam o Bitcoin?

- PUBLICIDADE -

Não. Este mito já foi desmentido quando 80% dos mineradores apoiaram uma mudança no Bitcoin em 2017, que não foi seguida pelos usuários. O plano era duplicar a capacidade de processamento da criptomoeda, aumentando o limite de informação na rede.

Os usuários, preocupados com o custo adicional que esta mudança teria, optaram por boicotar a proposta. Resumindo, os mineradores, inclusive na China, foram derrotados, e viram-se obrigados a continuar seguindo o padrão antigo.

Vale a pena minerar criptomoedas?

No Brasil, pagando a tarifa de energia elétrica e impostos de importação das mineradoras, certamente não. As máquinas ASICs mais modernas, portanto, mais eficientes, estão esgotadas. Dito isto, o prazo para entrega é superior a 4 meses, além do frete saindo da China.

Em resumo, para aqueles que possuem contratos industriais de energia, é preferível focar os esforços em Ethereum e outras moedas que demandam menos esforço computacional.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes