Harvard e Yale compram Bitcoin; ainda vale a pena investir?

Os fundos patrimoniais das renomadas universidades de Harvard, Yale e Brown estão comprando Bitcoin há mais de um ano, segundo investigação da Coindesk. Ainda vale a pena comprar a criptomoeda após a alta?

Harvard, Yale e Brown, universidades dentre as 50 mais desejadas do mundo, estão comprando Bitcoin para seus fundos patrimoniais. Segundo apurou o Coindesk, estes gestores de quase US$ 90 bilhões começaram sua participação em criptomoedas ainda em 2019.

Será que ainda vale a pena comprar Bitcoin após a alta de 240% em 6 meses?

O que são fundos patrimoniais?

Com o objetivo principal de manter a instituição, incluindo estrutura, reputação, pesquisa, e inovação, os fundos patrimoniais (endowment) são administrados por gestores profissionais.

Os recursos são oriundos do lucro e de doações, que podem inclusive ser destinado à bolsas de estudo. Ou seja, o dinheiro visa o retorno de longo prazo, considerando que Harvard, Yale e Brown são instituições seculares.

No caso de Yale, seu gestor desde 1985 é David Swensen, responsável pela gestão de US$ 30 bilhões. Considerado um dos melhores profissionais da área, David obteve um retorno de 15,6% ao ano ao longo de duas décadas. 

Por quê Harvard comprou Bitcoin?

Escassez. Se o ouro duplicar da atual cotação, certamente minas que antes estavam paradas por um alto custo de exploração voltam a ser abertas. De certo, há um incentivo grande para buscas de novas minas, e até mesmo formas de reciclar ouro de produtos eletrônicos descartados.

Leia também

ETF de Bitcoin do Canadá atinge US$ 334 milhões; vale a pena…

Nova companhia área começa a operar em março no Brasil

- PUBLICIDADE -

No Bitcoin isto já não é possível. De fato, o número de moedas emitidas por ano foi definido em sua criação. Ou seja, independente do número de mineradores, a quantidade disponível é previsível. Em suma, isso evita que em momentos de forte alta ocorra um aumento na oferta.

Quer ver se ainda vale a pena investir em Bitcoin após a alta? O pessoal da Mercado Bitcoin, exchange líder no Brasil, explica.

Quando Harvard comprou Bitcoin?

Em outubro de 2018 algumas das mais renomadas universidades incluindo Yale, Harvard e MIT anunciaram investimentos em fundos dedicados de blockchain e criptomoedas. Um dos principais destino foi o ‘Paradigm’, criado por um co-fundador da Coinbase. Além disso, a universidade de Michigan alocou nos fundos da Andreessen Horowitz.

De fato, estes investimentos não podem ser consideras compras diretamente de Bitcoin. Isso porque a decisão de alocar em empresas do setor, ou diretamente em criptomoedas, é feita pelo gestor do fundo, e não pela universidade.

Desse modo, a única informação disponível é uma fonte anônima, porém confiável, da Coindesk. Segundo a mesma, as compras diretamente em Bitcoin pelos fundos patrimoniais vêm ocorrendo desde meados de 2019, diretamente nas exchanges, as corretoras de criptomoedas.

Qual a filosofia destes gestores?

Swensen, diretor de investimentos da universidade Yale, destaca uma célebre frase do investidor Charles Ellis: “Não há evidências de nenhuma instituição de porte que tenha algo parecido com uma habilidade consistente de entrar quando o mercado está em baixa e sair quando o mercado está em alta.

- PUBLICIDADE -

Ou seja, ao contrário dos investidores que buscam tentar acertar períodos de entrada e saída dos ativos, estes gestores de Harvard e dos fundos patrimoniais se dedicam na alocação correta. Em resumo, escolher investimentos capazes de gerar retorno no longo prazo, independente de oscilações naturais de mercado e mudanças de cenário.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes