Oi prevê investir R$7 bi em 2019 com foco em expansão de fibra

A Oi planeja investir anualmente 7 bilhões de reais até 2020, concentrando-se principalmente na expansão de seu serviço de banda larga de fibra de alta velocidade.

SÃO PAULO (Reuters) – A Oi planeja investir anualmente 7 bilhões de reais até 2020, concentrando-se principalmente na expansão de seu serviço de banda larga de fibra de alta velocidade (FTTH), disse o vice-presidente financeiro, Carlos Brandão, nesta terça-feira. “Nosso plano de investimentos é todo financiado no primeiro ano e temos até 7 bilhões de reais em ativos para serem monetizados no curto prazo”, disse Brandão a analistas.

Em 2018, a Oi fez investimentos de 6,1 bilhões de reais. “A empresa contratou o Bank of America Merrill Lynch para estudar e estruturar a venda de ativos não essenciais, como parte de uma revisão estratégica mais ampla que deve ser concluída até meados de junho”, acrescentou. Por ora, a aceleração da rede FTTH está no centro da estratégia da Oi. A empresa pode adicionar 250 mil residências por mês ao serviço de banda larga de alta velocidade neste ano. “Estamos investindo pesado para acelerar a expansão da fibra, pois será um importante fator de criação de valor no segmento B2B”, afirmou.

SmartphoneOi como ativo estratégico

“Na telefonia móvel, a Oi espera reverter nos próximos trimestres a tendência de queda nas receitas, ajudada principalmente por resultados promissores no pós-pago, enquanto a automação e outras iniciativas digitais devem reduziras despesas operacionais”, acrescentou Brandão. Analistas do BTG Pactual disseram que, embora os resultados operacionais continuem a sofrer, os custos parecem sob controle e mantiveram recomendação de compra para as ações. “Esperamos ouvir notícias positivas sobre a frente regulatória (PLC 79) no curto prazo e continuar a ver a Oi como um ativo estratégico exclusivo para os players locais e estrangeiros”, escreveram os analistas em relatório.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Em junho de 2016, a Oi apresentou o pedido de recuperação judicial da América Latina para reestruturar uma dívida de aproximadamente 65 bilhões de reais, desencadeando uma batalha entre credores e acionistas.

(Por Gabriela Mello)

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes