Bolsonaro é eleito pessoa do ano em crime organizado e corrupção

O Organized Crime and Corruption Reporting Project (OCCPRP), Projeto de Relatório sobre Crime Organizado e Corrupção, elegeu o presidente brasileiro como personalidade do ano.

O Organized Crime and Corruption Reporting Project (OCCPRP), Projeto de Relatório sobre Crime Organizado e Corrupção, elegeu o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), como a personalidade que mais auxiliou a corrupção e o crime organizado em 2020. Os motivos de tal escolha passam por Bolsonaro ter se “cercado de figuras corruptas, usado propaganda para promover sua agenda populista, minado o sistema de Justiça e travado uma guerra destrutiva contra a região da Amazônia, o que enriqueceu alguns dos piores proprietários de terras do país”. Donald Trump também estava na disputa este ano.

Veja também a retrospectiva do governo.

 Organized Crime and Corruption Reporting Project (OCCPRP)

Criado em 2006, O OCCPRP é um consórcio formado por centros de investigação, mídia e jornalistas, que operam na Europa Oriental, Cáucaso, Ásia Central e América Central. Em outros anos, nomes Vladimir Putin, Nicolás Maduro e Rodrigo Duterte também foram escolhidos.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Bolsonaro corrupção
Foto: Marcos Côrrea/PR

Corrupção Bolsonaro

O relatório deste ano diz que “Bolsonaro venceu por pouco o duvidoso prêmio de dois outros líderes populistas, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o presidente turco, Recep Erdogan”. Os juízes afirmam que a escolha de Bolsonaro se deu pelo fator da hipocrisia, pois o presidente se elegeu com o discurso de que acabaria com a corrupção e não fez, segundo o relatório. Além disso, alguma das ações do presidente não afetam apenas o Brasil, como a exploração da Amazônia.

Um dos juízes ainda disse que o circulo social de Bolsonaro, assim como familiares, estão envolvidos em alguma investigação de organização criminosa. O documento ainda dá exemplos, como a investigação das “rachadinhas” de Carlos Bolsonaro, O relatório ainda cita o envolvimento de Michelle Bolsonaro nesse caso, ou a proximidade de Flávio com a milícia no Rio de Janeiro.

Populismo

Segundo Louise Shelley, diretora do Centro Transnacional de Crime e Corrupção (TraCCC), da George Mason University, o tema central esse ano foi o populismo. “Todos são populistas causando grandes danos aos seus países, regiões e ao mundo. Infelizmente, eles são apoiados por muitos, o que é a chave do populismo”, ela afirma.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes