Bolsonaro quer ‘termo de responsabilidade’ para tomar vacina

Presidente Bolsonaro vai assinar nesta terça-feira (15), medida provisória que liberará R$ 20 bilhões para a compra da vacina contra a Covid-19 para os brasileiros

Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vai assinar hoje (15), a Medida Provisória com o aval à liberação de R$ 20 bilhões para a compra de vacinas contra a Covid-19. Ao fazer o anúncio na noite desta segunda-feira (14), no Palácio da Alvorada, o presidente menosprezou a imunização dizendo que o brasileiro deverá se responsabilizar por escolher tomar a vacina.

“Não é obrigatória. Vocês vão ter que assinar o termo de responsabilidade, se quiserem tomar. A Pfizer é bem clara no contrato: “Não nos responsabilizamos por efeito colateral’. Tem gente que quer tomar, então toma. A responsabilidade é sua. Para quem está bem fisicamente, não tem que ter muita preocupação. A preocupação é o idoso, quem tem doença”, disse Bolsonaro.

Mortes por Covid-19

O novo coronavírus já matou mais de 1,6 milhão de pessoas no mundo. No Brasil, o número ultrapassa as 181 mil mortes. A vacinação contra a Covid-19 é esperada por toda população para, finalmente, voltar a ter uma ‘vida normal’.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Bolsonaro, que estava sem máscara, ressaltou à apoiadores, uma passagem bíblica para criticar a “fraqueza” a crise sanitária. “Tem uma passagem bíblica, Provérbios 24:10. ‘Se tu te mostrares fraco na hora da agonia, tua força é pequena’. Tem que encarar, pô! Tem que lutar”, afirmou.

Superlotação em hospitais

Após manifestantes pró-Bolsonaro reclamarem da superlotação em hospitais que passaram a atender exclusivamente casos de Covid-19, o presidente declarou: “teve hospital que foi fechado só para atender o Covid, não fez mais nada. Quem tinha problema e podia ter detectado um câncer precoce está numa situação agora que não adianta mais fazer quimioterapia”.

Na última sexta-feira (11), o ministro da Economia, Paulo Guedes havia citado que o governo deve gastar cerca de R$ 20 bilhões com uma “campanha de vacinação em massa”. Segundo o ministro, a expectativa é de que os recursos sejam contabilizados na forma de crédito extraordinário. Ele reforçou ainda que não faltará dinheiro para comprar vacinas.

Imunização

Até o momento as vacinas disponibilizadas ao Brasil encontram-se em fases de testes para irem para aprovação na Agencia Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. Uma nova onda assola o país com números de mortes beirando, novamente, os mil por dia.

Na Europa, autoridades vêm adotando medidas mais rígidas a fim de conter a circulação de pessoas e não propagar ainda mais, o vírus.

Líderes reconhecidos globalmente, como os ex-presidentes Barack Obama, George W. Bush e Bill Clinton, já se prontificaram a promover a vacinação nos Estados Unidos.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes