Eleições 2020: suspeito de invadir sistema do TSE é preso em Portugal

Hackers invadiram sistema do TSE no dia do primeiro turno das Eleições 2020. Há mandados de busca e apreensão no Brasil

A Polícia Federal (PF), com colaboração das autoridades portuguesas, deteve, neste sábado (28), um suspeito de hackear o sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no primeiro turno das Eleições 2020, realizado no último dia 15.

A invasão expôs informações internas de funcionários e até de ex-ministros do TSE e Portugal foi o país onde teria partido a primeira invasão.

O hacker, de apenas 19 anos, cidadão português usa o codinome Zambrius. Ele comandaria um grupo virtual, chamado de Cyberteam.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Estão sendo cumpridos, no Brasil, três mandados de busca e apreensão e três medidas cautelares de proibição de contato entre investigados nos estados de São Paulo e Minas Gerais.

Cair por terra – Eleições 2020

Segundo PF, o objetivo da ação dos hackers agirem no dia da votação do primeiro turno, seria desacreditar a segurança do sistema de computadores da Justiça Eleitoral.

Mas a ação caiu por terra, porque a invasão não atingiu os sistemas relacionados à eleição porque as urnas eletrônicas não são ligadas à internet — portanto, os equipamentos não são vulneráveis a ataques. “Não foram identificados quaisquer elementos que possam ter prejudicado a apuração, a segurança ou a integridade dos resultados da votação”, disse a PF.

O inquérito instaurado pela PF apura os crimes de invasão de dispositivo informático e de associação criminosa. Investigações constataram que o grupo de hackers brasileiros e portugueses são os autores do ataque ao sistema do TSE.

A Polícia Federal agiu em conjunto com a Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e Criminalidade Tecnológica da Polícia Judiciária Portuguesa. A operação foi batizada de Exploit.

Comissão

Após o ato, o TSE montou a Comissão de Segurança Cibernética, que irá acompanhar as investigações do TSE. Ela será comandada pelo ministro Alexandre de Morais. A comissão vai elaborar estudos sobre ações de prevenção e enfrentamento de crimes cometidos pela ação de hackers.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes