Eleições Câmara: Rodrigo Maia busca apoio nos partidos de esquerda

O atual presidente do congresso teve sua candidatura vetada pelo STF, portanto, agora precisa conseguir votos para o candidato que for apoiar.

Eleições Câmara – Como Rodrigo Maia (DEM) teve sua candidatura a reeleição vetada pelo STF no começo do mês, o parlamentar deve buscar algum candidato para apoiar na eleição da câmara dos deputados. Maia ainda não tomou sua decisão e vem estudando quem vai ter seu apoio. Contudo, o partido Republicanos declarou apoio à candidatura de Arthur Lira (PP), candidato apoiado por Jair Bolsonaro (PSL), o que pode ser um problema para que o atual presidente consiga votos suficientes para seu candidato.  Maia, então, vai procurar buscar votos nos partidos de esquerda.

Eleições Câmara

Com a migração do Republicanos para o lado de Lira, os partidos do bloco, que incluem ainda PP, PSD, PSC, PL, Avante, SD, Patriota e PROS, somam 193 deputados, contra 158 do bloco de Rodrigo Maia (DEM). Contudo, o atual presidente da câmara ainda não definiu para quem irá seu apoio na eleição.

Rodrigo Maia pode focar em tentar conquistar os votos dos partidos de esquerda agora, que somam 132 parlamentares. Inclusive, na terça-feira Maia reuniu as legendas da esquerda com o objetivo de evitar dissidências que possam fortalecer a candidatura do nome apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Estavam presentes na conversa líderes e dirigentes de PT, PSB, PDT e PC do B. Além dos dois nomes apoiados por Maia: o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), líder da Maioria, e Baleia Rossi (SP), presidente do MDB.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Também é preciso prestar atenção no Podemos, com 10 deputados, e o Novo com 8, que ainda não se posicionaram.

Ainda assim, como existem divisões dentro dos partidos e o voto é secreto não é possível fazer uma previsão concreta de quem irá vencer as eleições na câmara dos deputados.

Eleições câmara - Arthur Lira
Arthur Lira (PP) (Foto: Agência Brasil).

Posicionamento da esquerda

Para tentar frear o avanço do candidato de Bolsonaro, líderes de PT, PSB, PDT e PCdoB costuram um bloco para unificar a esquerda em torno de um único nome à presidência da Câmara. Entretanto, ainda não está descartada a possibilidade de lançar um nome ligado à esquerda, apenas, principalmente por parte do PT.

Partidos de centro-esquerda, como PSB e PDT avaliaram que o mais importante é apoiar um candidato para derrotar Bolsonaro do que lançar algum de seu partido em si. O PSOL também está indo por essa linha. Contudo, não é possível prever que uma legenda inteira siga essa regra.

Ontem, o PT decidiu que não irá apoiar o candidato Arthur Lira (PP). A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, publicou no Twitter que “o PT não comporá bloco para a mesa da Câmara com candidatura apoiada por Bolsonaro”.

Segundo informações da Folha de São Paulo, Maia disse não ter pressa em fechar um nome e afirmou que isso pode ajudar a atrair mais partidos e apoio em torno de seu bloco.

“As decisões, quando são coletivas, quando não são a imposição de ninguém, que são a construção de uma agenda mínima, que garanta a independência da Câmara, às vezes vai atrasar o nome.”

A eleição vai ocorrer em fevereiro de 2021, são necessários 257 do total de 513 para eleger, em fevereiro, quem comandará os deputados pelos próximos dois anos.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes