Fachin suspende alíquota zero de Bolsonaro para importação de armas

Para o ministro, não há nenhum interesse social em zerar alíquota para armas e um país que paga impostos altos sobre outros produtos essenciais

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin suspendeu em caráter liminar nesta segunda-feira, 14, a decisão do Governo Federal de zerar a alíquota para importação armas. A isenção de revólveres e pistolas tinha sido dada pela Câmara de Comércio Exterior (Camex), do Ministério da Economia, e passaria a valer no dia 1 de janeiro. 

Agora, com a suspensão da resolução, pistolas e revólveres voltam a ser taxados em 20% na importação. A decisão do ministro ainda vai ser submetida à análise do colegiado do STF, mas a data ainda não foi decidida. A suspensão é fruto de uma ação do PSB, que contestou a decisão no Supremo na semana passada. 

Decisão sobre isenção para importação de armas 

Segundo Fachin, a isenção de importação de armas “colocava em risco a segurança da coletividade, ao facilitar a inserção de armas no mercado. Além disso, não havia nenhum interesse social em zerar a alíquota de importação de armas em um país que paga altos impostos sobre outros itens essenciais”. 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O ministro ainda argumenta que o risco de um aumento da circulação de armas de fogo, que pode ser motivado por fatores econômicos, parece ser razão suficiente para deferir a liminar. Além disso, ele também diz que a garantia da segurança do cidadão é obrigação do estado. 

Fachin ainda cita o prejuízo ao mercado nacional. “É inegável que, ao permitir a redução do custo de importação de armas, o incentivo fiscal contribui para a composição dos preços das armas importadas e, por conseguinte, perda automática de competitividade da indústria nacional; o que afronta o mercado interno, considerado patrimônio nacional”, disse. 

Entenda a isenção para importação de armas

A isenção para importação de armas proposta pelo Governo Federal só se aplicava a revólver e pistolas. Armas que são carregadas exclusivamente pela boca, como pistolas lança-chamas, revólveres para tiros de festim e armas de ar comprimido por gás. 

A medida foi amplamente comemorada pelo próprio presidente e se soma às outras já tomadas pelo Governo Federal para facilitar o acesso a arma, como a portaria publicada em maio ampliando o acesso à quantidade de munições para quem já tem direito ao porte e à posse de armas. Na prática, pessoas com autorização passaram a poder comprar mais projéteis. 

Medida de Bolsonaro gerou revolta 

O anúncio da medida chegou a gerar revolta entre os internautas, que traçaram o paralelo de um Governo que isenta  importação de armas,  mas que quer taxar livros.  Os usuários relembraram da reforma tributária proposta por Paulo Guedes, ministro da Economia, que prevê a cobrança de impostos sobre livros. A criação da Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS) vai taxar livros em 12%.

Além disso, os usuários também questionaram a importação de armas ser isenta agora, enquanto o mundo vive uma pandemia que já matou mais de 1,6 milhão de pessoas em todo o planeta, sendo mais de 181 mil delas só no Brasil.  

Governo entrega plano de vacinação contra covid e gera polêmica

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes