Governo inclui Coronavac em Plano Nacional de Imunização

Mesmo sem data para iniciar vacinação, governo lançou hoje, nova versão do Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19. Veja o que mudou

Covid-19 – A vacina chinesa Coronavac está dentro do Plano Nacional de Imunização do governo federal. Nova versão foi lançada nesta quarta-feira (16) em coletiva aberta no Palácio do Planalto.

Na nova versão do plano, o governo afirma estar negociando a compra da Coronavac, vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac e o Instituto Butantã, órgão ligado ao governo paulista, comandado por João Doria (PSDB), adversário político de Bolsonaro.

De acordo com o governo federal, 3 milhões de doses da Coronavac seriam disponibilizadas no segundo trimestre de 2021, 8 milhões, no terceiro trimestre, e 27 milhões, no quarto trimestre do ano que vem.

Vacinas contra a Covid-19

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

As vacinas de Oxford/AstraZeneca, Covax Facility e Pfizer, já estavam inclusas na antiga versão do Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19, e o Ministério da Saúde adicionou ao planejamento 38 milhões de doses do imunizante da farmacêutica Janssen, que também está sendo testado no Brasil.

Mesmo ainda não tendo data para o começo da vacinação contra a Covid-19, o governo afirma já negociar cerca de 350 milhões de doses para 2021, o que seria suficiente para imunizar 175 milhões de brasileiros.

O ministério também citou negociações com as farmacêuticas Bharat Biotech (Índia), Moderna (EUA) e Gamaleya (Rússia). Informações de preços, estimativa e cronograma de disponibilização de doses foram solicitadas pela pasta, além de dados científicos dos estudos de fase 1, 2 e 3.

O plano mantém quatro fases de vacinação de grupos prioritários, sendo que as três primeiras devem imunizar 49,65 milhões de pessoas. Na nova versão do Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19, o governo voltou a considerar a população carcerária como parte do grupo prioritário para vacinação.

Nessa etapa inicial, a ideia é usar doses da vacina de Oxford/AstraZeneca, que será fabricada pela Fiocruz, além de aplicar a vacina da Pfizer em profissionais de saúde de capitais e regiões metropolitanas que atuaram na pandemia. A ideia é receber 2 milhões de doses da Pfizer no primeiro trimestre de 2021.

Discurso Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse em tom de conciliação que ‘se algum de nós extrapolou ou exagerou, foi no afã de buscar solução’. Em entrevista à TV Bandeirantes na noite desta terça-feira (16), o presidente disse que não iria se vacinar contra a Covid-19, numa declaração que foi criticada por especialistas por desestimular a imunização no País.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes