CoronaVac apresenta eficácia global de 50,4% em estudo feito no Brasil

O número completo, da eficácia global, não havia sido revelado até agora e foi alvo de contestações por pesquisadores. Confira porque os índices apresentaram resultados distintos

A CoronaVac, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac Biotech, atingiu uma eficácia geral de 50,38%. O dado foi divulgado pelo governo de São Paulo em coletiva na tarde desta terça-feira (12). O índice foi informado à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no pedido de registro emergencial da vacina, e está acima dos 50% necessários no mundo todo para considerar um imunizante proficiente.

 

Porque a eficácia da CoronaVac apresentou números distintos?

O dado de 50,38% faz parte do estudo realizado no Brasil com um grupo de 13.060 voluntários. O índice de eficácia se distingue dos divulgados anteriormente pelo Butantan e pelo governo de São Paulo. O anúncio anterior apontou 78% de eficácia em casos leves da Covid-19 e 100% de pacientes moderados, graves ou mortos — isso significa que nenhum participante que tomou o imunizante teve complicações graves com o vírus. No entanto, o índice de 78% se restringe ao grupo de voluntários que manifestaram casos leves de covid, mas com necessidade de atendimento médico. 

 

O número completo, da eficácia global, que envolve os voluntários infectados, mas que não precisaram de assistência médica, não havia sido revelado até agora e foi alvo de contestações por pesquisadores, que cobraram mais transparência ao Butantan. A nova divulgação do Butantan esclarece que os 50,38% incluem aquelas pessoas que foram infectadas pelo novo coronavírus e não tiveram sintomas que precisaram de atenção no estudo de fase 3.

 

A coletiva divulgou que ​foram registradas 85 infecções no grupo de 4.653 voluntários vacinados, o que resulta em 11,74%, e 167 casos confirmados nos 4.599 voluntários que tomaram um placebo, dando a porcentagem de 23,64%.

 

Explicação do Butantan a respeito das diferenças nos índices

O Butantan justificou o percentual de 50,38% argumentando que escolheu “endurecer” o teste de fase 3 da CoronaVac ao selecionar para o voluntariado apenas profissionais da saúde, grupo que está diretamente exposto ao contato com o vírus e, portanto, com mais chance de se contaminar.

 

Ricardo Palacios, diretor médico de pesquisa clínica do Butantã, afirmou que a taxa de eficácia menor do que a apresentada inicialmente foi uma “decisão consciente” para que os estudos da fase 3 atingissem de forma mais rápido o número mínimo de casos positivos exigidos: “A vantagem é termos um estudo mais rápido. Estávamos sacrificando eficácia para aumentarmos o número de casos e termos uma resposta mais rápida. Foi uma decisão arriscada, mas precisávamos dessa resposta rápido”.

 

Reações alérgicas registradas com a CoronaVac

O diretor do centro de segurança clínica e gestão de risco farmacoepidemiológica do Butantã, Alex Precioso, afirmou que a Coronavac não registrou eventos adversos graves, além de dor no local da aplicação. Precioso disse que apenas 0,3% dos voluntários tiveram reações alérgicas, taxa que foi igualmente registrada entre quem recebeu o imunizante e quem recebeu o placebo. “É uma vacina que tem mantido o seu perfil de segurança ao longo do tempo”, explicou.

 

Por que o Butantan não apresentou todos os dados de uma vez?

O motivo da ausência de transparência na divulgação dos dados seria o contrato que o Butantan firmou com o laboratório chinês parceiro Sinovac Biotech. Além disso, há uma disputa comercial entre os fabricantes de vacinas, já que são empresas listadas em Bolsas de valores e que querem lucrar com os imunizantes. 

 

A Sinovac proibiu que o Butantan divulgasse dados só do estudo brasileiro no fim do ano passado. Isso porque o laboratório viu discrepâncias entre dados do estudo indonésio (65% de eficácia geral), turco (91%) e o brasileiro. A divergência entre os índices é natural, dado que eles não foram aplicados à mesma população, que possui características muito distintas. 

 

No entanto, comercialmente, o interesse chinês é ter um número unificado. Isso levou a duras negociações com o Butantan e, por conta disso, a divulgação parcial de dados na quinta passada. O laboratório paulista alegou que só poderia falar os dados completos após fazer o pedido de uso emergencial à Anvisa, que ocorreu na sexta-feira passada (8).

 

Início da vacinação no Brasil e em São Paulo

A previsão do governo estadual é que a vacinação no estado comece no próximo dia 25 utilizando a CoronaVac. O uso, no entanto, depende que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) conceda autorização para uso emergencial da vacina. Na atualização das 8h18 de hoje, o Butantan tinha 40,7% de seu pedido considerado concluído. A agência tem dez dias contados desde a entrega dos documentos para analisar os estudos da fase 3 dos testes da vacina no país.

 

Em paralelo, o imunizante que havia sido a aposta inicial do governo federal, da britânica AstraZeneca/Universidade de Oxford, está com 27,35% de análise concluída. A Fiocruz fabricará o produto europeu. Agora os laboratórios vivenciam uma espécie de corrida na agência pelo pedido de uso emergencial da vacina.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes