Fiocruz pode pedir hoje à Anvisa uso emergencial da vacina de Oxford

Fiocruz estima receber os insumos da vacina de Oxford até o dia 12 de janeiro para começar a produção da vacina da Covid-19 no Brasil

A Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz estima receber ainda nesta sexta-feira (08), o pedido de autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa, para uso emergencial dos 2 milhões de doses prontas da vacina de Oxford/AstraZeneca.

As duas organizações se reuniram, por meio de teleconferência, na tarde desta quinta-feira (07), para tratar de ações necessárias para a autorização da vacina contra Covid-19.

No começo da semana, a Fiocruz apresentou dados sobre a vacina de Oxford à Anvisa, mas o procedimento não foi considerado suficiente para a aprovação emergencial do imunizante. A fundação ainda dependia de dados que devem ser fornecidos pelo Serum Institute, da Índia, responsável pela fabricação do produto. Até hoje, esses dados estarão reunidos e formalizados junto à agência.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Em nota, a Anvisa disse que tem atendido todos os laboratórios que estão desenvolvendo vacinas a fim de orientar e esclarecer questões técnicas para a avaliação de vacinas e futuro pedido de uso emergencial e registro definitivo, porém, ‘ainda não recebeu pedido para uso emergencial de nenhuma vacina contra a Covid-19’.

Fiocruz e a Vacina de Oxford

Os primeiros insumos do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) da vacina de Oxford, desenvolvida em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, devem chegar ao Brasil até o dia 12 de janeiro, é o que estima a Fiocruz.

Estes deveriam ser entregues em dezembro de 2020, mas o atraso no recebimento do insumo foi provocado pela demora do repasse das informações da AstraZeneca e das autoridades regulatórias da China, que têm protocolos específicos para a exportação da carga.

A Fiocruz disse em nota que pretende começar a produção das primeiras doses da vacina de Oxford no dia 20 de janeiro.

O Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a covid-19 prevê 3 fases iniciais planejadas com a aplicação da vacina de Oxford. A estimativa é que serão necessárias 104 milhões de doses do imunizante para atender os grupos prioritários incluídos nessas etapas. Vale lembrar que cada cidadão receberá até duas doses da vacina.

O Brasil precisa importar 2 milhões de doses prontas da vacina, produzidas pelo Instituto Serum, da Índia, para poder começar a imunização ainda em janeiro. O governo federal deve receber 100 milhões de doses do imunizante até julho de 2021, conforme um acordo prévio. Para o segundo semestre, estão previstas 160 milhões de doses produzidas pela Fiocruz.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes