Saiba mais sobre a vacina de Oxford, que acaba de chegar ao Brasil

Os estados brasileiros já começaram a distribuir o imunizante para seus municípios ontem (24). Dois milhões de doses já chegaram ao país.

Ontem (24), os estados começaram a distribuir as doses da vacina de Oxford/Astrazenca no Brasil para os municípios. Alguns locais ainda vão começar a distribuição ao longo desta semana. O Paraná foi o primeiro a começar e já concluiu a entrega das doses recebidas em oito horas.

O Rio foi o primeiro estado a receber as vacinas, mas começou a distribuir as 176.220 doses para seus 92 municípios hoje.

Vacina de Oxford Brasil

Dois milhões de doses vieram da Índia e chegaram ao Brasil na última sexta-feira (22), e foram analisadas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) antes da liberação para todo o Brasil.

Além disso, as primeiras doses da vacina de Oxford já começaram a ser aplicadas na vacinação simbólica de profissionais da saúde. O infectologista do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz), Estevão Portela, foi o primeiro profissional de saúde a ser vacinado pelo imunizante.

Contudo, a imunização deve começar ainda essa semana.

Segundo o ministério, atualmente, o Brasil tem mais de 354 milhões de doses de vacinas garantidas para 2021, por meio dos acordos com a Fiocruz (254 milhões de doses), Butantan (100 milhões de doses) e Covax Facility (42,5 milhões de doses).

As vacinas foram fabricadas pelo Instituto Serum, na Índia e desenvolvidas pela Universidade de Oxford.

- PUBLICIDADE -

Qual a eficácia?

A vacina de Oxford mostrou eficácia média de 70,4% e até 90% no grupo que tomou a dose menor. Segundo os estudos de teste com vacina, o imunizante apontou 70% de eficácia no grupo que tomou a segunda dose 21 dias após a primeira e 100% naqueles que tomaram 12 semanas após a aplicação inicial.

O tempo para imunização é de 15 dias depois que a segunda dose for aplicada.

Leia também

Como ganhar silicone pelo SUS? Veja as regras e quem tem…

Mulheres grávidas vão poder se voluntariar para testes da…

vacina de oxford
Foto: Agência Brasil

Qual a diferença entre ela e a coronavac?

A grande diferença entre elas está relacionada à tecnologia pela qual elas foram desenvolvidas.

A coronaVac usa o vírus inativo para produzir uma resposta imune no corpo humano, ou seja, ela não nos deixa doentes. Mas esse vírus é capaz de criar uma imunidade e fazer com que o organismo responda à ameaças.

Já a vacina de Oxford usa uma tecnologia de vetor viral recombinante, produzida a partir de uma versão enfraquecida do vírus que causa resfriado em chimpanzés, mas não em humanos.

- PUBLICIDADE -

Intervalo entre doses?

O intervalo entre a primeira e a segunda dose é flexível, entre quatro e 12 semanas para tomar a segunda. Mas é preciso ficar atento aos prazos para não perder.

Qual tomar, coronavac ou vacina de Oxford?

Ambas vacinas já estão no Brasil. Mas o Ministério da Saúde irá determinar qual grupo ou região irá receber qual vacina, baseado em critérios técnicos e estratégicos. Dessa maneira, a população pode escolher qual tomar. Contudo, as duas foram aprovadas pela Anvisa e tem eficácia garantida pelos fabricantes.

É possível comprar uma clinica privada?

Ainda não. Como tanto a vacina CoronaVac e a de Oxford foram aprovadas apenas para uso emergencial, a aplicação só pode ser feita pela rede pública. A oferta de vacinas contra a Covid-19 na rede privada vai depender do registro oficial das vacinas na Anvisa e da disponibilidade de doses pelos produtores.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes