Pedro Bial chama Bolsonaro de ‘acéfalo’ na Globo

O presentador fez a abertura de seu talk show indo ‘para cima’ do presidente Jair Bolsonaro

Durante o ‘Conversa com Bial’, o apresentador fez a abertura de seu talk show criticando o presidente Jair Bolsonaro.  O programa foi ao ar na madrugada desta quinta-feira (17).

Biel se refere a Bolsonaro como ‘desgovernate’

Em tom de revolta, Bial acusou o presidente de inventar remédios durante a pandemia do novo coronavírus. “Na pandemia desse 2020 nefasto, o Brasil se destacou. Desde o início, nosso desgovernante tentou negar a gravidade da crise, seguiu inventando remédios milagrosos, sabotou ministros da saúde e educação. Deu os piores exemplos”, afirmou.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Bial fala sobre as aglomerações e falta de responsabilidade do presidente

Destacando as aglomerações, Bial lembrou da falta de responsabilidade do presidente quando reuniu multidões sem usar máscara e promovendo aglomerações por onde passava. Além disso, ele ressaltou o fato de Bolsonaro negar tomar a vacina e sua influência negativa sobre a mesma.

“Sem máscara e sem noção, ele causou aglomeração. O inominável contribuiu de forma decisiva para que mais gente morresse. Agora se supera, delirante, ao desprezar a única solução: a vacina. Como disse o próprio acéfalo que hoje ocupa o Palácio do Planalto: morrer todo mundo vai morrer mesmo. Pior quem tem uma vida pela frente”, disse, citando uma frase polêmica de Jair.

Debate sobre reabrir as escolas

O debate tinha como tema a volta às aulas durante a pandemia. Discutindo sobre essa possibilidade, Bial contou com a participação de Claudia Costin, diretora do Centro de Excelência e Inovação e Políticas Educacionais da Fundação Getúlio Vargas, e Daniel Becker, pediatra.

“A geração das crianças do corona ficará marcada para sempre. Aqui no Brasil, em nome da economia, forçou-se a abertura de tudo. De salões a lotéricas. Viva os shoppings! Comprar é vida. O imperativo de reabrir as escolas? O último da fila. Sequer mencionado”, disse o apresentador.

“Agora, quem sabe quais consequências de um ano sem escola terá sobre a saúde física e mental de crianças e adolescentes. Pior: alguém quer saber? Parte das escolas particulares já voltaram com protocolos e distanciamento. Já a rede pública… Bem, a rede pública quase 40 milhões seguem entre a precariedade total e a total interrupção do aprendizado e da proteção social”, acrescentou Bial.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes