Burnout: o que é, como prevenir e como tratar

O esgotamento mental pode ser evitado e tratado. Saiba mais sobre isso.

Você já deve ter ouvido falar a palavra “burnout”. O termo tem se tornado ainda mais conhecido nos últimos anos, devido à vida acelerada a qual levamos, com uma rotina bem corrida.

Mas, o que é burnout? Podemos prevenir a síndrome? Qual o tratamento adequado?

O DCI entrevistou a terapeuta Camila Custódio, do Consultório Emocional, para explicar tudo sobre o burnout e ajudar você a entender um pouco mais sobre a síndrome.

Conheça um pouco mais sobre a síndrome de burnout e como se dá o aparecimento do distúrbio.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O que é burnout?

Antes de tudo, é importante saber o que significa burnout e como essa síndrome funciona.

A profissional, Camila, explica que burnout é um distúrbio caracterizado pela tensão e desgaste emocionais que levam a pessoa a um esgotamento físico, profissional e mental.

Então, o estado pode estar relacionado a condições de trabalho, estudos ou a vida pessoal quando muito atribuladas.

A terapeuta afirma que as pessoas que possuem jornadas duplas são mais suscetíveis a serem afetadas pela síndrome.

Como o burnout se manifesta?

O burnout se manifesta quando a relação com o trabalho acaba se transformando em estresse, ansiedade e nervosismo intensos.

Assim, a pessoa é levada ao seu limite físico ou emocional, sentindo-se extremamente cansada, desmotivada e esgotada.

A profissional afirma que a doença não está apenas relacionada ao trabalho, podendo também ser fruto do acúmulo das tarefas de faculdade ou da escola  e até mesmo em tarefas domésticas.

Assim, o esforço excessivo esforço físico, mental ou emocional seguido de poucos momentos de pausa, realaxamento ou descontração faz com que o burnout apareça.

Mas, outros fatores também podem influenciar no aparecimento do burnout, como problemas com chefe, familiares ou relacionamentos.

Outros fatores

Além disso, outros fatores também podem influenciar para o aparecimento da síndrome. Por exemplo, pessoas mais empáticas tendem a estar mais sobrecarregadas e estão mais vulneráveis.

Workaholics, profissionais da area da saude, assistentes sociais, psicólogos, jornalistas, professores, bombeiros, advogados e policiais estão entre as profissões mais afetadas.

Burnout
Imagem: Unsplash

Por consequência, nessas profissões, as mulheres, em especial aquelas que levam dupla ou até mesmo tripla jornada de trabalho, conciliando carreira, maternidade, família, casa e estudos são as mais suscetíveis.

Sintomas do Burnout

O burnout frequentemente é confundido com outros problemas emocionais, porque os sintomas também estão presentes em outras patologias mentais.

É importante atentar-se aos sintomas para buscar o tratamento adequado. A terapeuta elenca os principais sintomas do burnout:

  • Alterações no sono;
  • Dores musculares e de cabeça;
  • Irritabilidade;
  • Alterações de humor;
  • Falhas na memória;
  • Dificuldade de concentração;
  • Agressividade;
  • Falta de apetite;
  • Agressividade;
  • Isolamento;
  • Depressão;
  • Pessimismo;
  • Baixa autoestima;
  • Sentimento de apatia e desesperança.

Além disso, a síndrome mexe com a imunidade, deixando a pessoa mais suscetível a doenças oportunistas, como gripes frequentes.

Como prevenir a síndrome de burnout?

Mas como prevenir a síndrome de burnout? É possível?

A profissional afirma que ter momentos de relaxamento é essencial para evitar e prevenir a síndrome. Além disso, a prática de exercícios físicos contribui para prevenção.

Uma alimentação equilibrada também é fundamental para uma vida mais saudável, inclusive emocionalmente.

A terapeuta ainda afirma que o cuidado consigo é essencial, aprender a não se cobrar tanto, fazer as coisas no seu tempo são atitudes que podem aliviar a tensão e o esgotamento.

Além disso, o acompanhamento psicológico é um grande aliado para evitar a síndrome de burnout.

Qual o tratamento para o burnout?

O tratamento para o burnout é feito após o diagnóstico. Para diagnosticar, você deve procurar um psicólogo ou psiquiatra.

Então, o profissional vai indicar a quantidade de sessões necessárias para o tratamento e fazer o acompanhamento do caso para a evolução do tratamento.

Assim, a síndrome do burnout é mais comum do que imaginamos, segundo uma pesquisa, cerca de 33 milhões de brasileiros sofriam dessa síndrome antes da pandemia.

Por isso, é importante termos conhecimento sobre os sintomas e os fatores que contribuem para o aparecimento da síndrome de burnout.

Assim, a síndrome de burnout é um distúrbio que pode acometer diversas pessoas devido ao esgotamento físico, mental e emocional.

A nossa rotina corrida, o esgotamento físico e mental podem gerar ansiedade, assim como outros fatores também contribuem para isso. Por isso, você deve ficar alerta aos sintomas e ter autoconhecimento.

Informar Erro

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes