Laços de Família: relembre as maiores polêmicas que a novela enfrentou

Novela de Manoel Carlos deu o que falar durante sua primeira exibição ao abordar temas como conflitos familiares, a prostituição, teve cenas quentes, outras violentas, o que gerou dores de cabeça para a produção fora das telas. Relembre alguns dos temas controversos.

No ar pelo Vale a Pena Ver de Novo, da TV Globo, a novela Laços de Família volta a ser assunto por causa de sua trama cheia de polêmicas e reviravoltas.

O folhetim de Manoel Carlos, exibido pela primeira vez entre os anos de 2000 e 2001, abordou temas como conflitos familiares, a prostituição, teve cenas quentes, outras violentas, o que gerou dores de cabeça para a produção fora das telas. Relembre alguns dos temas controversos.

Proibição de menores e mudança de horário

A grande “dor de cabeça” de Laços de Família começou quando noticiaram que a atriz Larissa Honorato, de quase dois anos, sofreu trauma psicológico após repetir por 19 vezes uma gravação na qual sua personagem Nina testemunha seus pais Clara (Regiane Alves) e Fred (Luigi Baricelli) discutindo. Posteriormente, a menina foi substituída por outra atriz.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Fred, Clara e Nina em cena da novela Laços de Família
Cena que iniciou a polêmica envolvendo menores de idade em Laços de Família/Reprodução

Em novembro de 2000, o juiz Siro Darlan, da 1ª Vara de Infância e da Juventude do Rio de Janeiro, concedeu liminar obrigando a saída de todos menores de idade do elenco e também a exibição da novela após às 21h. Para ele, Laços de Família continha muitas cenas de violência doméstica e urbana e também com conotação sexual, se tornando inadequada para os jovens atores. De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, constataram que 11 menores trabalhavam sem alvará. Foi determinada uma multa diária de 70 mil reais em caso de descumprimento.

Todas as cenas com crianças e adolescentes foram regravadas, incluindo a do casamento de Camila (Carolina Dieckmann) e Edu (Reynaldo Gianecchini), pois uma das madrinhas era a Estela, personagem de Julia Almeida, filha de Manoel Carlos e com 17 anos na época. Personagens como Bruninho, filho de Capitu (Giovanna Antonelli), e Raquel (Carla Diaz) sumiram da trama.

O posicionamento do juiz Siro Darlan foi contestado não somente pela produção e elenco de Laços de Família, mas também pelo então presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Reginaldo de Castro, que entendeu a decisão como um “ato de censura inadmissível”.

A Globo se comprometeu a não incluir menores de idade em cenas com conteúdo sexual ou violento e, após três semanas, o jovem elenco pode voltar à novela.

Polêmica com a Igreja católica

A produção de Laços de Família recebeu um “não” ao pedir autorização da Arquidiocese do Rio de Janeiro para gravar o casamento de Camila e Edu em uma igreja de verdade. Segundo o Estadão, o cardeal Eugênio de Araújo Sales criticou o conteúdo da novela por meio de uma nota enviada à imprensa.

“Parece incrível a exaltação de taras morais, o elogio e apoio aos desvios sexuais como sendo algo aceitável, a transformação da imoralidade em atitude normal na convivência social”, alegou o religioso.

Sem alternativa, a produção usou uma igreja cenográfica para filmagem.

Edu, Camila e Helena na novela Laços de Família
Atores posam nos bastidores da gravação do casamento de Edu e Camila/Reprodução/Instagram

De quem é o nome?

Em entrevista para o jornal Folha de S. Paulo, em fevereiro de 2000, a escritora Solange de Castro Neves revelou que estava produzindo uma novela para a Record com o título de Laços de Família, o mesmo nome provisório que a nova trama da TV Globo havia recebido. Segundo Solange, ela havia registrado a ideia e não pensava em abandoná-la. Porém, de acordo com O Estado de São Paulo, em março provou-se que a Globo tinha o direito de usar Laços de Família e a trama da Record ganhou o nome de Marcas da Paixão.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes