Bancos suspendem negociações sobre perdão da dívida da Grécia

Bancos suspendem negociações sobre perdão da dívida da Grécia

OS BANCOS SUSPENDERAM NESTA SEXTA-FEIRA (13) AS NEGOCIAÇÕES COM A GRÉCIA”,”

BRASÍLIA – Os bancos suspenderam nesta sexta-feira (13) as negociações com a Grécia quanto às modalidades de reestruturação da dívida do país, após uma reunião entre o primeiro-ministro grego, Lucas Papademos, e o diretor do Instituto de Finanças Internacionais (IIF), Charles Dallara. O instituto é a associação que reúne os principais bancos globais.
As discussões “não levaram a uma resposta construtiva de todas as partes”, disse hoje o IIF, em comunicado divulgado nesta terça-feira em que acrescenta que as negociações “estão suspensas para permitir uma reflexão” sobre a conveniência de que as conversações continuem.
Uma fonte que participa das negociações disse que essas reuniões destinadas a acertar a reestruturação de 50% da dívida soberana da Grécia estão em um estado de tensão “extremo” e que as partes “devem reconhecer a situação muito grave” para “evitar o pior”.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O principal obstáculo, de acordo com a imprensa, são os juros dos novos títulos de dívidas que irão substituir os títulos de dívida detidos por bancos e seguradoras, que constituem o núcleo dos credores da Grécia.
Os contatos deverão ser retomados provavelmente na próxima quarta-feira (18), embora os bancos tenham avisado à Grécia, na última quinta-feira (12), que o tempo para um acordo quanto à participação do setor privado está chegando ao fim. A advertência ocorreu depois de reunião entre Dallara, Papademos e o ministro grego das Finanças, Evangelos Venizelos.
Além dos juros que serão pagos pelos novos títulos, outro assunto em discussão diz respeito à legislação que regerá as renegociações. A Grécia quer aplicar sua própria legislação, mas os credores exigem a lei britânica.
De acordo com o porta-voz do governo grego, Pantelis Kapsis, o país ainda não decidiu se aprova uma lei que exija aos credores relutantes que aceitem o perdão da dívida, uma opção no caso de uma maioria de 75% não concordar com o acordo. Esse passo poderia levar as agências de classificação de risco a declarar a Grécia falida e abrir a porta para que os detentores de seguros de crédito sobre dívida exijam o pagamento.
A reestruturação da dívida grega é um dos pilares do segundo programa de resgate anunciado em outubro passado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pela União Europeia, no valor de 130 bilhões de euros. Esse processo prevê que os credores privados (bancos, seguradoras e fundos) aceitem uma perda de 50% na dívida grega, o que aliviaria o endividamento grego em cerca de 100 bilhões de euros.
Recentemente, no entanto, autoridades da Grécia afirmaram a necessidade de aumentar as perdas que os credores terão de suportar, para permitir que as finanças públicas gregas se equilibrem. O Banco Central Europeu (BCE) já informou que não está envolvido nessas negociações.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes