CoronaVac tem estudo suspenso pela Anvisa após evento adverso grave

Segundo a Anvisa, CoronaVac promoveu um evento adverso grave, mas não entrou em detalhes do que teria sido. Nas redes sociais, presidente Bolsonaro comemorou a decisão e disse que ganhou mais uma de João Doria.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa – suspendeu na noite desta segunda-feira (9) os estudos clínicos da vacina CoronaVac – idealizada pela farmacêutica chinesa Sinovac e o Instituto Butantã. A determinação veio através de um “evento adverso grave”, mas o órgão não entrou em detalhes sobre o que seria. A vacina estava prevista para chegar ao Brasil dia 20 de novembro.

Evento adverso causou suspensão da CoronaVac

Em resposta, tanto a Sinovac, quanto o Instituto Butantã afirmam surpresa na decisão e que seguem confiantes na segurança da vacina contra a covid-19. Segundo informações, um voluntário teria falecido, mas o diretor do Butantã, imas Covas, afirmou que se trata de um óbito sem qualquer ligação com os testes da CoronaVac. A empresa afirmou ainda que o estudo clínico em fase 3 no Brasil “é realizado estritamente de acordo com os requisitos do GCP” (Good Clinical Practice, ou “boas práticas clínicas” ). Com a interrupção do estudo, nenhum novo voluntário poderá ser vacinado.

Suspensão é prática comum

A CoronaVac é um dos imunizantes cotados para vencer a transmissão pelo coronavírus. Encabeçada tanto pelo Instituto Butantã, quanto pela Sinovac, os estudos da “vacina chinesa” é apoiado pelo governador do Estado de São Paulo, João Doria. A suspensão dos testes é uma prática comum  quando os estudos precisam de mais esclarecimentos – como é o caso da Vacina de Oxford, que passou por algo similar e já tiveram seus estudos retomados.

“Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”, diz o presidente no Facebook

Nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro “comemorou” a decisão da Anvisa de suspender os estudos clínicos da CoronaVac. A vacina, que possui o apoio de João Doria, foi motivo de uma guerra política entre os dois governantes – já que Bolsonaro apoia os estudos de outro imunizante, feito pela Universidade de Oxford. Bolsonaro respondeu a um seguidor que perguntou se o Brasil poderia comprar e produzir a vacina: “Morte, invalidez, anomalia. Esta é a vacina que o Dória queria obrigar a todos os paulistanos tomá-la. O Presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatória. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”, disse.

imagem de uma mensagem de Jair Bolsonaro sobre a coronavac
Foto: Reprodução Facebook

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes