Inflação medida pelo IGP-10 cai de 4,34% para 3,20%

Final do ano acelerou alta de preços e inflação cresce; isso é ruim para o governo, pois atrapalha a cumprir o teto de gastos

O Índice Geral de Preços-10 (IGP-10), indicador nacional medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), registrou inflação de 3,2% em outubro. A taxa é menor que a observada em setembro (4,34%). Com o resultado, o índice acumula inflação de 17,63% no ano e de 19,85% em 12 meses.

Qual o motivo da queda?

A queda do indicador de setembro para outubro foi puxada pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede o varejo e cuja inflação recuou de 5,99% em setembro para 4,06% em outubro.

Por outro lado, o Índice de Preços ao Consumidor, que mede o varejo, e o Índice Nacional de Custo da Construção tiveram alta. O Índice de Preços ao Consumidor subiu de 0,46% em setembro para 0,98% em outubro. Já o Índice Nacional de Custo da Construção passou de 0,80% em setembro para 1,51% em outubro.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Inflação: problemas a vista

A alta recente nos preços pode atrapalhar os planos da equipe econômica do governo federal. Isso porque a aceleração da inflação nessa reta final do ano mexe em cálculos importantes para 2021.

Na prática, a alta da inflação pode servir como norte para a correção do salário mínimo logo no começo do ano que vem. E isso impacta os gastos públicos, sobretudo quando o governo tenta fazer manobras para cumprir o teto de gastos em 2021.

Saiba mais: Teto de gastos: entenda o que é e suas consequências

O crescimento do limite das despesas está fixada 2,13%. Agora o desafio é fazer manter isso, uma vez que mais da metade dos gastos da União são referentes aos benefícios previdenciários e assistenciais.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes