Investir na área de governança vira alvo das redes médias

SÃO PAULO – Contratar executivos capacitados, adotar soluções tecnológicas e criar um conselho administrativo com poder de decisão. Tais estratégias têm mudado o cotidiano das empresas f

SÃO PAULO

Contratar executivos capacitados, adotar soluções tecnológicas e criar um conselho administrativo com poder de decisão. Tais estratégias têm mudado o cotidiano das empresas familiares, cada vez mais atentas à necessidade de profissionalizar a gestão de seus negócios. Ao empregar tais práticas de governança corporativa, empresas de médio porte do comércio varejista buscam não perder espaço entre a concorrência, afirmou Luiz Marcatti, sócio da Mesa Corporate Governance, consultoria especializada.

Como de cada 100 empresas com o comando familiar, apenas 30 chegam à segunda geração, para o consultor as tomadas de decisões são mais sensatas e evitam conflito de interesses com a governança. “A sucessão em um negócio familiar é de extrema importância, mas, por vezes, o filho, o sobrinho ou o neto não são os mais indicados para um cargo de presidência.”

Os empresários que vislumbram a ida à Bolsa de Valores, além das práticas de governança devem atentar a detalhes como a comunicação da empresa com o mercado e a participação em encontros com potenciais investidores, conforme explicou a sócia da MBS Value Partners, Monique Skruzny.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Levantamento do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa identificou 300 empresas com faturamento acima de R$ 200 milhões, com a crescente percepção dos empresários sobre a governança: 93% viram melhora na gestão, assim como a melhora na imagem da empresa perante o mercado.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes