Coronavírus: Nova Zelândia registra primeira morte em 3 meses

Autoridades de saúde disseram que o homem fazia parte de uma segunda onda de infecções descoberta em Auckland no mês passado. A primeira-ministra Jacinda Ardern estendeu as restrições até pelo menos metade de setembro.

Nesta sexta-feira (4) a Nova Zelândia registra primeira morte por coronavírus desde 24 de maio. O número de mortes de covid-19 no país agora é de 23.

De acordo com o Ministério da Saúde, “O homem na casa dos 50 fazia parte do agrupamento de agosto em Auckland e morreu hoje cedo no Hospital Middlemore”.

“Eu reconheço a ansiedade que os neozelandeses podem sentir com as notícias de hoje, tanto na comunidade em geral como também pela família e parentes de luto por esta morte”, disse Ashley Bloomfield, presidente-executivo do ministério.

“Nossos pensamentos estão com a família e comunidade neste momento de perda e luto”, acrescentou.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O novo grupo de contágio de Auckland surgiu em uma família de quatro pessoas. Desde então, esse número aumentou para 152 pessoas, incluindo três novos registros na sexta-feira. As novas infecções encerraram um período de 102 dias livres de transmissão comunitária na Nova Zelândia.

Apesar de um bloqueio de duas semanas e meia em Auckland, que terminou na noite de domingo, é difícil eliminar totalmente as contaminações. De acordo com Bloomfield “sempre reconhecemos que mais mortes relacionadas à covid-19 eram possíveis”.

Além disso, Bloomfield acrescentou: “as notícias de hoje reforçam a importância de nossa vigilância compartilhada contra a covid-19. São muito graves às consequências que o vírus pode trazer consigo”.

 

Nova Zelândia registra primeira morte
Imagem: Reprodução / Anna Shvets

Nova Zelândia registra primeira morte e país está em alerta

O Ministério da Saúde também relatou cinco novas infecções por coronavírus na sexta-feira. De acordo com a primeira-ministra, Jacinda Ardern,  as  restrições impostas para conter a disseminação do covid-19 permanecerão em vigor até pelo menos a metade de setembro.

“A melhor resposta econômica continua sendo uma forte resposta de saúde. Se acertarmos, acabaremos com as restrições mais rapidamente e diminuiremos o risco de oscilações”, disse Ardern em entrevista coletiva.

Embora os habitantes de Auckland tenham permissão para sair de suas casas esta semana, o governo limitou as reuniões sociais na cidade de 1,5 milhão a 10 pessoas. Além disso, tornou as máscaras obrigatórias no transporte público em todo o país.

Informar Erro
Fonte DW

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes