Coronavírus pode atrasar os direitos das mulheres em 25 anos

A pandemia de coronavírus pode atrasar os direitos das mulheres em 25 anos, sugerem novos dados globais da ONU Mulheres .

A pandemia de coronavírus pode atrasar os direitos das mulheres em 25 anos, sugerem novos dados globais da ONU Mulheres .

Por conta do impacto da pandemia, as mulheres estão fazendo muito mais tarefas domésticas e cuidados com a família.

“Tudo pelo que trabalhamos, que levou 25 anos, pode ser perdido em um ano”, disse a vice-diretora executiva da ONU Mulheres, Anita Bhatia.

Assim, oportunidades de emprego e educação podem ser perdidas. Bem como as mulheres podem sofrer de problemas de saúde física e mental.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A carga de cuidados representa um “risco real de reverter aos estereótipos de gênero dos anos 1950”, diz Bhatia.

 

Coronavírus pode atrasar os direitos das mulheres
Imagem: Reprodução / Unsplash

Coronavírus pode atrasar os direitos das mulheres

Mesmo antes da pandemia, estimou-se que as mulheres estavam fazendo cerca de três quartos das 16 bilhões de horas de trabalho não remunerado que são feitas a cada dia em todo o mundo.

Ou seja, antes do coronavírus, para cada hora de trabalho não remunerado dos homens, três horas eram feitas pelas mulheres. Agora esse número é maior.

“Se esse número era três vezes maior que os homens antes da pandemia, garanto que agora ele dobrou”, diz Bhatia.

A pesquisa feita pela ONU Mulheres se concentrou principalmente em países de renda média e baixa. Contudo, os dados de países mais industrializados mostram um quadro semelhante.

“Mais alarmante é o fato de que muitas mulheres na verdade não estão voltando ao trabalho”, diz Bhatia.

“Só no mês de setembro, nos EUA, algo em torno de 865.000 mulheres abandonaram a força de trabalho em comparação com 200.000 homens. E, muito disso se exlicar pelo fato de que havia uma carga de cuidados sobre as mulheres”.

A ONU Mulheres alerta que o efeito cascata de ter menos mulheres trabalhadoras será terrível não apenas para o bem-estar das mulheres, mas também para seu progresso econômico e independência.

 

Desvalorização

O trabalho não remunerado das mulheres geralmente cobre os custos dos cuidados que sustentam as famílias e as economias. Bem como compensam a falta de serviços sociais, mas raramente isso recebe o reconhecimento.

Além disso, as mulheres que realizam a maior parte do trabalho não remunerado terão menos tempo para se dedicar ao trabalho ou trabalharão mais horas. E, muitas vezes, enfrentam a insegurança financeira.

A ONU está pedindo aos governos e empresas que reconheçam a existência de trabalho não remunerado e implementem medidas como licença familiar extra ou licença remunerada extra. Além de manter as creches abertas.

Assim, “não se trata apenas de uma questão de direitos, é também uma questão de saber o que faz sentido econômico”, disse Bhatia. “E economicamente faz sentido que as mulheres participem plenamente da economia”.

Fonte BBC

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes