Covid na India: metade dos habitantes das favelas de Mumbai foram infectados, diz estudo

Mais da metade dos moradores de favelas em três áreas da capital comercial da Índia, Mumbai, testou positivo para anticorpos para o coronavírus, descobriu uma nova pesquisa.

0 314

Um estudo sobre o covid na Índia mostrou que 57% das pessoas testadas nas favelas de Chembur, Matunga e Dahisar foram expostas ao novo coronavírus. Atualmente, cerca de 1,5 milhão de pessoas vivem nessas três áreas localizadas nas partes oeste, leste e central da cidade.

Todavia, apenas 16% das pessoas que vivem fora de favelas nas mesmas áreas foram expostas à infecção.

A pesquisa foi realizada pela prefeitura da cidade, pelo instituto governamental Niti Aayog e pelo Tata Institute of Fundamental Research.

Os resultados são de testes aleatórios de cerca de 7.000 pessoas em três áreas densamente povoadas no início de julho. Em 28 de julho, Mumbai, relatou mais de 110.000 casos e 6.187 mortes.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

De acordo com os cientistas envolvidos, os resultados apontam para uma série de coisas sobre a prevalência da infecção em uma das cidades mais afetadas da Índia.

Por um lado, o vírus se espalhou mais amplamente do que se acreditava anteriormente nas favelas da cidade, onde vive mais da metade dos 12,5 milhões de habitantes de Mumbai. Segundo os cientistas, a amostra testada foi “estatisticamente robusta” e representativa.

“As três áreas que escolhemos para os testes apresentavam um número variável de infecções por coronavírus relatadas e eram uma mistura de favelas, casas independentes e conjuntos habitacionais. A ideia era verificar se a densidade populacional estava causando mudanças na prevalência da infecção“, disse o Dr. Ullas S Kolthur do Instituto Tata de Pesquisa Fundamental (TIFR).

 

covid na índia
Imagem: Reprodução / Stéphane Hermellin

Covid na Índia: aglomeração propaga mais a infecção

Uma pesquisa do governo em Delhi, em julho, revelou que quase um em cada quatro residentes na capital da Índia foi exposto ao Covid-19.

De acordo com os pesquisadores, a alta taxa de prevalência nas favelas de Mumbai pode ser parcialmente explicada pelo fato de os residentes compartilharem instalações comuns, como banheiros. “Os resultados mostraram como a aglomeração desempenha um papel fundamental na propagação da infecção”, disse o Dr. Juneja.

Além disso, o estudo também descobriu que uma grande parte das pessoas foi infectada e sobreviveu com nenhum ou poucos sintomas. Nesse sentido, houve uma baixa taxa de mortalidade nessas áreas – uma em 1.000 para uma em 2.000. Isso também reduz a taxa de mortalidade da Covid-19 em toda a cidade.

Por outro lado, descobriu-se que mais mulheres foram expostas à infecção pelo vírus, tanto nas favelas quanto em outras regiões.

Com os casos diminuindo em Mumbai, a pesquisa também levanta a questão de se a cidade está se aproximando da imunidade coletiva à infecção. Mumbai relatou 717 novas infecções na terça-feira, a menor em três meses. 

Porém, a imunidade do rebanho é alcançada quando um número suficiente de pessoas se torna imune a um vírus para impedir sua disseminação.

A pesquisa será repetida futuramente para saber se a prevalência da infecção aumentou ou diminuiu, o que dará pistas sobre a trajetória do Covid-19 na cidade.

Informar Erro
Fonte BBC

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes