Ex-agente da CIA é acusado de espionagem em benefício da China

Andrew Yuk Ching Ma é acusado de ter fornecido detalhes sobre os sistemas de comunicação da CIA, suas atividades no terreno e divulgado os nomes de informantes aos serviços secretos chineses.

Um ex-agente da CIA e da polícia federal americana foi preso e acusado no Havaí de espionagem em benefício da ChinaDe acordo com o Departamento de Justiça dos EUA, Alexander Yuk Ching Ma teria passado documentos confidenciais e nomes de informantes para funcionários da inteligência chinesa.

Ma foi preso na última sexta-feira (14) e deverá comparecer ao tribunal nesta semana. Se for condenado, pode pegar a pena máxima de prisão perpétua.

 

ex-agente da cia
Imagem: Reprodução / Nathan Dumlao

Quem é o ex-agente da CIA

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Alexander Yuk Ching Ma, cidadão americano naturalizado nascido em Hong Kong, começou a trabalhar para a CIA em 1982. Segundo os promotores, ele deixou a CIA sete anos depois. Após a saída, trabalhou na cidade chinesa de Xangai antes de se mudar para o Havaí em 2001.

Em suma, eles acusam Ma e seu parente de espionar para a China ao longo de uma década. Esse esquema começou com reuniões em Hong Kong em março de 2001. 

De acordo com as informações divulgadas, o ex-agente é acusados ​​de compartilhar informações “sobre o pessoal da CIA, operações e métodos de ocultar comunicações com o serviço de inteligência chinês.

Conforme o comunicado, parte de uma reunião em Hong Kong foi gravada em vídeo e mostra o ex-agente da CIA contando 50 mil dólares em dinheiro pelos segredos que compartilharam.

Enquanto vivia no Havaí, dizem os documentos do tribunal, ele então procurou trabalho com o FBI para obter acesso a informações confidenciais do governo dos EUA, mais uma vez para repassar à China.

Em 2004, Ma foi contratado pelo escritório do FBI em Honolulu como linguista. Contudo, agora também está sendo acusado de roubar documentos marcados como secretos enquanto trabalhou para o FBI. O parente não identificado (com quem os promotores dizem que o ex-agente conspirou) tem agora 85 anos.

Ele também é cidadão americano naturalizado, nascido em Xangai. De acordo com os documentos judiciais, os promotores não estão buscando um mandado de prisão para o parente neste momento. O motivo é que ele sofre de uma “doença cognitiva avançada e debilitante”.

 

Tensões com espionagem

Este é o caso mais recente de ex-agentes de inteligência processados ​​por colaborar com Pequim. A justiça americana embarcou em uma busca por agentes duplos após o colapso repentino da rede da CIA na China entre 2010 e 2012.

Em 2019, dois ex-agentes da CIA e um da agência de inteligência militar foram condenados a penas de dez a vinte anos de prisão por espionagem em benefício de Pequim.

Fonte BBC

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes