Hackers divulgam dados confidenciais da vacina Pfizer

O ataque informático, com alvo na Agência Europeia de Medicamentos (EMA), que regula a aprovação de vacinas na Europa, aconteceu em dezembro do ano passado. Informações foram encontradas neste mês

Um grupo de hackers divulgou na internet documentos confidenciais sobre medicamentos e da vacina Pfizer, após o ataque à rede de dados da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) que ocorreu em dezembro de 2020.

Os prazos relacionados à avaliação e aprovação dos medicamentos e vacinas da Covid-19 não foram afetados, disse a EMA em um comunicado na terça-feira (13). A agência disse que está funcionando de forma totalmente normal e que as autoridades policiais estão tomando medidas contra a violação.

O que se sabe sobre o ataque dos hackers à vacina Pfizer?

A EMA foi alvo de um ataque de hackers no dia 9 de dezembro. A Pfizer e a BioNTech disseram no mês passado que alguns documentos que enviaram ao EMA foram acessados ​​na operação. A agência agiu rapidamente para iniciar uma investigação, em estreita cooperação com as autoridades europeias. Porém, não se sabe os detalhes da invasão, como ocorreu o ataque ou sequer quem foram os responsáveis. 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Alguns documentos apresentados pela Pfizer Inc. e BioNTech para a agência reguladora dos imunizantes – a Ema – a fim de realizar a análise regulatória do imunizante foram os alvos dos hackers. A EMA informou que irá notificar quaisquer entidades e indivíduos cujos documentos e dados pessoais possam ter sido objeto de acesso dos hackers. 

A agência divulgou as atualizações sobre o episódio de violação depois que uma empresa italiana de segurança cibernética, Yarix, disse que encontrou documentos hackeados relacionados à autorização da vacina Pfizer-BioNTech na chamada dark web.

Um suspeito invasor divulgou uma postagem em um blog que continha arquivos do EMA, incluindo mensagens de e-mail confidenciais relacionadas à produção e processos comerciais de vacinas, disse o CEO da Yarix, Mirko Gatto, em uma entrevista. As capturas de tela e os documentos na postagem fazem referência a um portal de comunicações seguras da EMA reservado para pessoal autorizado, disse o presidente da empresa.

Pfizer no Brasil

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) realizou ontem (13) uma reunião com representantes da Pfizer, empresa que fabrica a vacina produzida em parceria com o laboratório BioNtech e está negociando venda de doses do imunizante para o Ministério da Saúde. Em nota, a Anvisa informou que “no encontro, representantes da Anvisa esclareceram dúvidas e orientaram os representantes da empresa sobre o pedido de uso emergencial para a vacina”. A empresa é uma das quatro com testes no Brasil. 

Na semana passada, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, pediu condições especiais para comprar as 70 milhões de doses ofertadas ao Brasil pela Pfizer em 15 de agosto. A farmacêutica disse que negocia a venda de vacinas com o Brasil desde junho do ano passado, um mês antes de assinar um acordo confidencial com cláusulas semelhantes às que foram aceitas pela União Europeia e mais 12 países, 6 deles latino-americanos.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes