Microevolução humana: muitos bebês estão nascendo sem os dentes do siso e com uma artéria extra

Pesquisadores australianos descobriram que nossos rostos ficaram mais curtos com o tempo e nossas mandíbulas, menores.

De acordo com um estudo, como resultado de uma microevolução humana, mais pessoas estão nascendo sem dentes do siso e uma artéria extra em seu braço.

Os bebês agora têm rostos mais curtos, mandíbulas menores e ossos extras em suas pernas e pés, revelou um estudo no Journal of Anatomy.

Pesquisadores australianos que trabalharam nos estudos afirmam que a raça humana está evoluindo mais rápido do que em qualquer outro momento nos últimos 250 anos.

Assim, com o tempo, os rostos humanos ficaram mais curtos, o que fez com que nossas bocas ficassem menores, com menos espaço para tantos dentes.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Como parte da seleção natural e de nossa maior capacidade de mastigar alimentos, isso resultou em menos pessoas nascendo com dentes do siso, disse o Dr. Teghan Lucas, da Flinders University, Adelaide.

 

Microevolução humana
Imagem: Reprodução / Unsplash

Microevolução humana

“Muitas pessoas pensaram que os humanos pararam de evoluir. Mas nosso estudo mostra que ainda estamos evoluindo – mais rápido do que em qualquer momento nos últimos 250 anos”, acrescentou ela.

Além disso, uma artéria no antebraço que fornece sangue para a mão se tornou mais prevalente em recém-nascidos desde o século 19, descobriu o estudo.

A artéria mediana costumava se formar no útero, mas desaparecia depois que o bebê nasceu e as artérias radial e ulna cresceram.

Agora, uma em cada três pessoas mantém suas artérias medianas por toda a vida. No entendo, isso não representa risco para a saúde.

O autor Professor Maciej Henneberg disse: “Esta é a ‘micro evolução’ nos humanos modernos.

“A artéria mediana é um exemplo perfeito de como ainda estamos evoluindo porque as pessoas nascidas mais recentemente têm uma prevalência maior dessa artéria quando comparadas aos humanos das gerações anteriores”.

A pesquisa foi realizada rastreando a taxa de retenção de diferentes partes do corpo ao longo das gerações e dissecando cadáveres preservados de pessoas nascidas ao longo do século XX.

Fonte Sky News

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes