Nasa e ESA, da Europa, tentarão desviar rota de asteroide para proteger a Terra

Nasa e ESA vão gerar uma colisão entre meteoro e uma espaçonave. A missão será iniciada em julho de 2021

A Nasa e ESA (agência espacial europeia) assinaram um acordo no valor de 129 milhões de euros na terça-feira (15).

O acordo envolve a fabricação de uma espaçonave em um projeto conjunto para tentar desviar um asteroide em direção à Terra.

A Nasa deve lançar uma espaçonave em junho de 2021 em rota de colisão com o asteroide Dimorphos. O objetivo é testar se seria possível empurrar objetos que podem estar ameaçando a Terra para um caminho mais seguro.

A ESA então lançará sua espaçonave – chamada Hera em homenagem à deusa grega do casamento – em outubro de 2024. De acordo com a ESA, Hera irá mapear a cratera de impacto resultante e medir a massa do asteroide. 

Esse mapeamento alcançará toda a área no final de 2026 para uma pesquisa com duração de 6 meses.

A missão é uma reminiscência do filme Armagedom, de 1998, no qual o ator Bruce Willis interpreta um membro de uma equipe enviada para destruir um asteroide para salvar a Terra.

 

Nasa e esa
Imagem: reprodução q alexander antropov

Nasa e ESA: acordo para desviar asteroide

“Queremos tentar, pela primeira vez, dirigir um asteroide em sua rota potencial de colisão com a Terra”, disse o diretor da ESA, Rolf Densing, à Reuters TV.

Dimorphos tem um diâmetro de 160 metros, aproximadamente a largura da Grande Pirâmide de Gizé no Egito. De acordo com a ESA, ele é grande o suficiente para destruir uma cidade inteira se atingisse a Terra.

Hera, definida para ter apenas o tamanho de uma mesa, deve navegar com autonomia e ao redor do asteroide enquanto coleta dados. Além disso, também lançará minissatélites – cubos de 10 cm que poderão voar muito mais perto da superfície do asteroide.

Marco Fuchs, chefe-executivo do grupo alemão espacial e de tecnologia OHB que desenvolverá a nave Hera, disse que tentar desviar um asteroide é como “jogar bilhar”. Bem como observou o desafio de dirigir em direção a um corpo celeste tão pequeno.

“Você tem que dirigir com muita precisão, você tem que encontrar primeiro e então abordá-lo de forma que você possa realmente observar o que aconteceu como resultado do impacto da investigação americana”, disse ele.

Fonte Reuters
Você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.