Parque na zona oeste terá 1,3 milhão de m² de mata atlântica

SÃO PAULO – O governador Geraldo Alckmin e os secretários do Meio Ambiente, Bruno Covas, e da Habitação, Silvio Torres, participaram, na sexta-feira, da cerimônia para implantação do Parque Urbano de Conservação Ambiental e Lazer da Fazenda Tizo (Terras Institucionais da Zona Oeste).

SÃO PAULO – O governador Geraldo Alckmin e os secretários do Meio Ambiente, Bruno Covas, e da Habitação, Silvio Torres, participaram, na sexta-feira, da cerimônia para implantação do Parque Urbano de Conservação Ambiental e Lazer da Fazenda Tizo (Terras Institucionais da Zona Oeste). O parque Tizo é voltado à preservação da floresta, pesquisa, sustentabilidade e educação ambiental. Com 1,3 milhão m² de remanescentes da Mata Atlântica, tem áreas em São Paulo, Osasco e Cotia e está bem próximo de Embu e Taboão da Serra, integrando a Reserva da Biosfera do Cinturão Verde de São Paulo. Abriga também espécies de fauna e flora ameaçadas de extinção.

Na ocasião, o governador assinou documento para a contratação das obras e fez o plantio de uma muda nativa, Jequitibá-rosa, simbolizando o início das ações. O projeto executivo foi elaborado pela CDHU, que será responsável pela licitação e execução das obras.

“Será uma área de uso comum da população, de lazer, de contato com a natureza. Não tenho dúvida de que será um point aqui da Região Metropolitana de São Paulo. À beira do Rodoanel, uma área muito bonita, preservada, de educação e de convívio, aqui da comunidade”, descreveu o governador. A área pertence à CDHU e, após as obras, será transferida para a Secretaria do Meio Ambiente, que administrará o Parque.

Para o secretário Bruno Covas, nos dias de hoje é vital para áreas urbanizadas a presença de remanescentes florestais, pois a vegetação colabora com a melhoria do ar, enquanto a proteção aos mananciais proporciona boa qualidade da água. “Além da clara melhoria na vida das pessoas e do valor de sua paisagem rara, o Parque Tizo deve proporcionar à comunidade um local de lazer e recreação, bem como ser um laboratório vivo de pesquisas e palco para projetos de Educação Ambiental, pois é promovendo a visita às áreas verdes e o contato com a natureza que se espera despertar na população a consciência de proteção e preservação, tanto aqui quanto no resto do planeta”, afirmou.

Segundo o secretário Silvio Torres, além de beneficiar a população local, o parque será mais um exemplo das ações de conservação ambiental promovidas pelo Estado. “Isso, além de criar mais um espaço de lazer para a população, como na Serra do Mar, em Cubatão

Você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.