Vacina contra Covid-19: imunização em SP pode começar em dezembro

Promissora, coronavac pode começar a ser aplicada em dezembro

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nesta segunda-feira, 21, que toda a população de São Paulo será vacinada contra a covid-19 até fevereiro de 2021.

Vacina contra Covid-19 – O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou na quarta-feira (23), em entrevista coletiva, que a CoronaVac, vacina que está sendo desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, vem demonstrando segurança na fase de testes em humanos. Portanto, isso significa que a vacina não provoca efeitos colaterais graves.

Quando teremos uma vacina contra a Covid-19?

A Vacina contra Covid-1, a CoronaVac está na fase 3 de testes em humanos, que vai avaliar agora a a eficácia, ou seja, se ela produz anticorpos em quantidade suficiente contra o vírus. Assim, se o cronograma de testes se mantiver e a vacina se mostrar eficaz, e houver a aprovação da Anvisa, a expectativa é de que a coronavac esteja liberada para vacinação a partir de dezembro.

“Aos brasileiros de São Paulo, garanto que teremos a vacina para atender a totalidade da população já no final deste ano e ao longo dos dois primeiros meses de 2021. Temos que, evidentemente, terminar esta terceira fase de testagem e esperamos que tudo ocorra bem”, disse o governador em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Testes da Coronavac – Vacina contra Covid-19

Estudo feito na China com 50.027 voluntários chineses, entre eles, funcionários da própria Sinovac, demonstrou que 5,36% das pessoas vacinadas apresentaram efeitos colaterais, todos sem gravidade: dor no local da aplicação (caso constatado em 3,08% dos voluntários), fadiga (1,53%) e febre leve (0,21%). Efeitos um pouco mais graves foram observados em 0,03% dos voluntários, tais como perda de apetite, dor de cabeça, fadiga e febre.

A vacina contra Covid-19, a CoronaVac,  está sendo testada no Brasil desde julho, na fase 3, que estuda a eficácia do imunizante. A vacina está sendo aplicada em duas doses. Ao todo, os testes com a CoronaVac são realizados em 9 mil voluntários em centros de pesquisas de seis estados brasileiros: São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná.

Os resultados sobre a eficácia da vacina, no Brasil, devem começar a aparecer a partir da segunda quinzena de outubro, segundo Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan.

Na China já foram iniciados testes da vacina em crianças e idosos. Entre as pessoas com mais de 60 anos, a vacina foi aplicada em 422 voluntários e os resultados apontaram 97% de eficácia. Os estudos em crianças têm 552 voluntários de 3 a 17 anos.

A vacina também  passará a ser testada, em sua fase 3, também em voluntários da Turquia.

Como funciona a CoronaVac?

Para produzir a CoronaVac, os cientistas da Sinovac Biotech recorreram a uma matriz inativada da cepa CZ02 do próprio coronavírus, o Sars-Cov-2. Por matriz inativada entende-se o vírus morto ou fragmentos dele.

Com isso, a vacina estabelece uma espécie de memória celular capaz de ativar o sistema imunológico de quem é vacinado. Trata-se do mesmo princípio aplicado nas vacinas existentes para conter, por exemplo, doenças como a hepatite, as gripes comuns, a dengue, a raiva e o HPV.

Consequentemente, a expectativa dos cientistas é de que, quando o organismo do paciente entrar em contato com o coronavírus ativo, o corpo já estará preparado para reagir ao invasor.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes