Saiba quais são as vacinas mais promissoras contra o Covid-19

Saiba quais são as previsões para a chegada da vacina ao Brasil e quem será vacinado primeiro.

Uma das maiores preocupações dos governos e órgãos de saúde pública hoje é produzir uma vacina eficaz contra a Covid-19. O mundo está em uma corrida para descobrir uma forma de imunizar a população e conter o novo coronavírus. Ainda não há nenhuma vacina comprovada, nem sendo distribuída. Contudo, muitas estão sendo estudadas e testadas.

Segundo a OMS, há 166 pesquisas de vacinas contra a Covid-19 sendo feitas no mundo. Dessas 163, seis estão na última fase de teses, sendo as mais promissoras. Quatro delas estão sendo testadas no Brasil, são elas Coronavac (China), a vacina de Oxford (Reino Unido), a vacina da Pfizer/BioNTech (Estados Unidos/Alemanha) e a Sinopharm (China).

Outras vacinas apontadas como promissoras são a Moderna, dos EUA, a CanSino da China e a vacina russa Gamaleya, mas a última ainda não teve todos os dados das pesquisas divulgados.

Para que humanidade seja considerada imunizada contra o coronavírus, pelo menos 60% a 70% da população terá de ser vacinada, para isso seriam necessárias 4 a 5 bilhões de doses nos próximos 18 meses. Um valor bem alto.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Mortes por coronavírus no Brasil passam de 100 mil.

Gamaleya – A vacina Russa

Segundo o governo russo, a vacina Gamaleya é a mais avançada até agora,  O ministro da Saúde, Mikhail Murashko, disse à agência de notícias Interfax, no dia 1° de agosto, que o Instituto Gamaleya de Epidemiologia e Microbiologia, em Moscou, já concluiu os ensaios clínicos e a documentação está sendo preparada para registrar a vacina e assim será possível começar a campanha de vacinação em outubro. Contudo, o país não divulgou todos os dados sobre a vacina e das pesquisas utilizadas nas fases de teste. Por isso, ela gera algumas dúvidas. Não se pode afirmar que ela será produzida e distribuída em outubro, como disse a Rússia.

Quem será vacinado primeiro?

A ordem para tomar a vacina é de acordo com o risco de mortalidade. Por isso, as primeiras pessoas a serem vacinadas serão as que se encontram no grupo de risco, como os idosos. Os profissionais da saúde também são prioridade para garantir imunidade. Em seguida, o restante da população poderá tomar a vacina contra a COVID-19.

Foto mostra pessoa com roupa de proteção no laboratório de costas mexendo em fracos.
Foto: Robson Valverde

Vacina para a COVID-19 no Brasil?

O Ministério da Saúde já assinou um contrato com a Universidade de Oxford e sua parceira, a AstraZeneca. Por esse acordo, a Fundação Oswaldo Cruz receberá alguns lotes da vacina. O Instituto Butantan, do governo de São Paulo, fechou um acordo com a empresa chinesa Sinovac Biotech para teste e desenvolvimento de uma possível vacina. O governo do Paraná se associou à também chinesa Sinopharm para realização de testes de uma outra candidata. O Ministério da Saúde também já afirmou que negocia a possível compra da vacina em desenvolvimento pelo laboratório norte-americano Moderna, e também analisa a vacina da parceria Pfizer/BioNTech, que será testada no Brasil a partir deste mês.

Ainda não se pode afirmar qual vacina vai ficar pronta primeiro e quando vão conseguir distribui-las com exatidão. Mas existem muitos estudos e pesquisas sendo feitos no Brasil com parcerias de laboratórios estrangeiros.

Previsões para a vacina?

Ainda não se tem previsões exatas feitas por nenhum órgão de saúde ou laboratórios que estão pesquisando a vacina. O que se sabe até hoje é que fazer uma vacina leva tempo. A vacina mais rápida produzida na história foi de caxumba, levou quatro anos. Atualmente, o mundo conta com mais tecnologia e mais pesquisas correndo para alcançar a imunidade, por isso, pode ser mais rápido.

O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira (5) que até o final de dezembro, 15,2 milhões de doses da vacina da Universidade de Oxford serão distribuídas no Brasil. Após a distribuição dos dois primeiros lotes, outras 70 milhões de unidades da vacina de Oxford serão disponibilizadas, de forma gradativa, a partir de março de 2021. Nesse momento, o acesso ao imunizante também deve ser expandido.

Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, afirmou em entrevista a CNN que acredita que em janeiro ou fevereiro a vacina já estará no Brasil e poderá começar a ser aplicada. Covas ainda disse que acredita que estamos próximos de ter uma vacina que, mesmo sendo uma pandemia recente, os conhecimentos sobre o coronavírus já estão mais sólidos.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes