Bolsonaro contraria ministro e diz que ‘vacina da China’ não será comprada

Diante do anúncio do Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, de que o Governo Federal compraria 46 milhões de doses da CoronaVac, presidente Jair Bolsonaro foi ao Twitter na manhã desta quarta (21) dizer que não autoriza a compra da vacina da China.

Mais um capítulo sobre a imunização contra a covid-19 agita o Planalto na manhã desta quarta-feira (21). O presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar sobre a compra da vacina coronavac e também sobre a obrigatoriedade do uso do medicamento. Bolsonaro vem se posicionando veementemente contra a vacina compulsória já tem um tempo. Em agosto, ele afirmou aos seus apoiadores que “ninguém pode ser obrigado a tomar a vacina”.

No início desta semana (19),  Bolsonaro voltou ao assunto após o governador do Estado de São Paulo, João Dória (PSDB), afirmar que a imunização no Estado será compulsória. Em conversa no Planalto, Bolsonaro aproveitou para soltar uma indireta ao mandatário paulista e, sem mencioná-lo, disse que tem governador que está se intitulando médico do Brasil”.

Ele ainda fez referência à lei 6.259, de 1975, para dizer que a imposição da vacina cabe ao Ministério da Saúde  “”A vacina contra o Covid (sic) — como cabe ao Ministério da Saúde definir esta questão — ela não será obrigatória”, completou.

Contudo, uma lei criada neste ano pelo próprio Governo Federal e sancionada por Jair Bolsonaro prevê que Estados e municípios apliquem uma vacina compulsória contra a Covid-19. O protocolo não apenas prevalece a lei de 1975, como é apoiada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e por princípios constitucionais.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O que diz a nova lei

A lei 13.979/20 diz sobre medidas que podem ser adotadas no Brasil no combate a pandemia. O texto, feito pelo governo federal e enviado e aprovado rapidamente pelo Congresso, foi sancionado pelo próprio  presidente em fevereiro deste ano,

O artigo 3º prevê, em seu inciso 3, as ações que autoridades podem adotar, e, entre elas, está a vacinação compulsória. O parágrafo 7º deste mesmo artigo estabelece que as medidas do inciso 3 poderão ser adotadas “pelos gestores locais”.

Bolsonaro diz que “vacina da China” não será comprada

Em meio a discussões sobre a obrigatoriedade ou não do uso da vacina contra a covid-19, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (21) que não autoriza o Ministério da Saúde a comprar “a vacina da China”.

O anúncio veio após o atual Ministro da pasta, Eduardo Pazuello, dizer nesta terça-feira (20) que o Ministério compraria 46 milhões de doses da CoronaVac, imunização feita em parceria da China com o Instituto Butantã, de SP. Bolsonaro foi ao Twitter responder aos seus seguidores e confirmou que “ só compraria medicamentos com eficácia comprovada cientificamente pelo Ministério da Saúde e certificada pela Anvisa” e terminou o anúncio dizendo que “o povo brasileiro não será cobaia de ninguém”.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes