Veja tabela de quanto pode custar a gasolina com novo ICMS dos estados

Uma proposta corre no Congresso e poderá alterar a forma como esse imposto é calculado

Recente aprovação de um projeto de lei a respeito do ICMS cobrado por estados brasileiros pode provocar mudanças para que preço da gasolina abaixe. Desta forma, o DCI elaborou uma tabela com uma indicação de quanto esse valor poderia ser alterado e como isso afetaria no bolso dos motoristas.

Assim, o levantamento considera a última atualização do valor médio desse combustível, indicado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Além disso, é utilizada estimativa feita pelo criador dessa proposta, de que o preço final deverá reduzir em 8%. Por fim, são utilizados dados indicados pela Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos dos Estados (Febrafite).

O que mudou no ICMS?

Por enquanto, nada foi alterado. Ou seja, o texto aprovado na Câmara dos Deputados, feito pelo deputado federal Dr. Jaziel (PL-CE), ainda irá tramitar no Senado Federal. Então, ele poderá ser, ou não, aprovado. Sendo assim, os senadores também podem alterar partes do texto. Por fim, ele segue para a presidência da República, que poderá aprovar ou vetar.

Esse projeto obrigaria que os estados, além do Distrito Federal, adotem uma nova forma de cobrar o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Dessa forma, ao invés de definir o preço a cada 15 dias, podendo subir ou abaixar, a nova definição se baseia nos últimos dois anos vigentes.

Ou seja, hoje cada estado cobra uma taxa sobre o preço das últimas duas semanas. Portanto, com o valor da gasolina em alta, o ICMS representa uma fatia de R$ 1,29 a R$2,20 por litro, de acordo com as últimas atualizações médias.

O que pode mudar no ICMS?

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que é um dos principais apoiadores dessa proposta, chegou a dizer que a proposta seria importante para que o valor final pudesse ter uma redução de 8%.

“O projeto irá tratar de fazermos uma média dos dois preços anteriores para que se faça a contabilização de quanto custa a gasolina. por exemplo, em 2019 e 2020,  se acha um valor. Esse valor fica fixo por um ano e você multiplica, sem interferência nenhuma, pelo imposto que cada estado escolher como alíquota”, explicou.

Além disso, a alteração iria fazer com que esse preço ficasse fixado por 12 meses, e definido a cada ano. Também, as alíquotas não poderiam exceder, em reais por litro, o valor da média dos preços ao consumidor final “usualmente praticados”.

Dessa forma, o deputado federal estima que as mudanças na lei podem levar ao preço final praticado ao consumidor reduzir, em média, 8% para a gasolina comum, 7% para o etanol hidratado e 3,7% para o diesel B.

No entanto, de acordo com cálculos de queda de receita feitos pela Febrafite, as unidades federativas do Brasil poderão perder ao menos R$ 24,1 bilhões por ano em recursos.

Quanto ficaria a gasolina com novo ICMS dos estados

O preço do ICMS da gasolina poderá mudar, caso esse projeto seja aprovado pelo Senado e pelo presidente. Assim, a ideia é que os valores dos principais combustíveis reduzam em taxas específicas. “Desta forma, vamos ter um preço de gasolina, a princípio, 8% mais barato”, afirmou Lira. Além disso, ele indicou que:

  • O etanol reduziria para cerca de 7%
  • O diesel cairia aproximadamente 3,7%

Por exemplo, o ICMS cobrado em 2022 iria considerar o preço médio entre 2020 e 2021. Então, no ano seguinte, sucessivamente.

Tabela dos preços da gasolina por estados

Por fim, considerando os dados da ANP e da Febrafite, a reportagem fez um levantamento de quanto ficaria a gasolina em cada estado. Dessa forma, as informações foram disponibilizadas na seguinte tabela, confira:

Estado Valor médio (*) Valor estimado (**)
Acre R$ 6,45 R$ 6,15
Alagoas R$ 6,04 R$ 5,76
Amapá R$ 5,14 R$ 4,82
Amazonas R$ 5,79 R$ 5,49
Bahia R$ 6,06 R$ 5,73
Ceará R$ 5,93 R$ 5,67
Distrito Federal R$ 6,35 R$ 5,92
Espírito Santo R$ 6,04 R$ 5,70
Goiás R$ 6,27 R$ 5,85
Maranhão R$ 5,90 R$ 5,52
Mato Grosso R$ 5,94 R$ 5,53
Mato Grosso do Sul R$ 5,95 R$ 5,71
Minas Gerais R$ 6,18 R$ 5,83
Pará R$ 6,03 R$ 5,68
Paraíba R$ 5,79 R$ 5,42
Paraná R$ 5,73 R$ 5,45
Pernambuco R$ 5,90 R$ 5,45
Piauí R$ 6,30 R$ 6,03
Rio de Janeiro R$ 6,48 R$ 6,03
Rio Grande do Norte R$ 6,10 R$ 5,65
Rio Grande do Sul R$ 6,14 R$ 5,81
Rondônia R$ 6,06 R$ 5,76
Roraima R$ 5,63 R$ 5,21
Santa Catarina R$ 5,74 R$ 5,48
São Paulo R$ 5,62 R$ 5,26
Sergipe R$ 6,09 R$ 5,78
Tocantins R$ 6,15 R$ 5,84

(*) Foi levantado o valor médio até a segunda semana de outubro, segundo a ANP

(**) Então, foi feito cálculo entre o valor médio da ANP e a diferença calculada pela Febrafite.

Por que a gasolina está tão cara?

Prometida pelo presidenteJair Bolsonaro (sem partido), para que o valor fosse muito menor do que o vigente nos dias de hoje, a gasolina em 2017, na gestão Michel Temer (MDB), passou a ser baseada pela Petrobras em relação ao dólar. Dessa forma, a estatal definia o preço. Portanto, esse recurso tem sofrido pela alta da moeda americana em comparação com o real.

Portanto, com uma economia e política instáveis, o dólar tem flutuado muito. Enquanto isso, o próprio etanol também tem elevado esse preço. Ou seja, com correção feita pela Economatica (considerando as inflações do Brasil e EUA, no momento ) o dólar passou de R$ 3,89, no início do governo, para R$ 5,44.

Portanto, desde o início da pandemia, o valor do combustível nas refinarias cresceu três vezes. Assim, conforme a ANP, a Petrobras cobrava R$ 0,91 em meados de abril de 2020. Entretanto, em agosto deste ano, já beirava os R$ 3. Dessa forma, ele representa maior fatia do valor total.

Portanto, o valor que os motoristas pagam pelo combustível é composto por cinco fatores. Sendo assim, veja quais são:

  • ICMS – ou seja, o imposto estadual sobre mercadorias
  • Cofins – impostos federais
  • Preço cobrado pela própria Petrobras
  • Custo da matéria prima – etanol
  • Por fim, a distribuição – valor que os postos de gasolina cobram pelo serviço

Para que serve o ICMS?

Cada estado define sua alíquota fixa do ICMS, conforme suas prioridades de gasto. Assim, essa alíquota nada mais é que uma taxa proporcional de valor sobre o produto.

Dessa forma, esse imposto se torna a maior fonte de recursos dos estados brasileiros para investir em hospitais, escolas estaduais, polícias Militar e Civil, dentre vários outros lugares. Também, uma parte é destinada aos municípios.

Assim, no ano passado, os governos arrecadaram pelo menos R$ 635 bilhões em impostos. Contudo, cerca de R$ 522 bilhões eram apenas do ICMS, de acordo com o Tesouro Nacional. Já o valor apenas de combustíveis representa quase 20% do total, conforme o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás.

No entanto, segundo a ANP, órgão federal, essa alíquota da gasolina não tem aumentado. Dessa forma, isso contradiz o que é discursado pelo presidente. Além disso, vale lembrar que o próprio governo federal aplica impostos sobre a gasolina. Sendo assim, são eles, o Cide, Pis/Pasep e Cofins.

Quanto cada estado cobra de ICMS?

Além disso, não tem havido aumento da taxação estadual para que os governos estaduais faturem mais. Isto é o que indica os dados da própria ANP. No entanto, o valor arrecadado aumenta por conta do cálculo que é feito quinzenalmente, que considera o aumento na Petrobras.

Então, se em 2020 o valor era de $ 1,20 por litro, passou a R$ 1,66 em setembro de 2021, em média.

Estado Alíquota de ICMS (*) ICMS em R$ (**)
Acre 25% R$ 1,61
Alagoas 29% R$ 1,75
Amapá 25% R$ 1,29
Amazonas 25% R$ 1,45
Bahia 28% R$ 1,70
Ceará 29% R$ 1,72
Distrito Federal 28% R$ 1,78
Espírito Santo 27% R$ 1,63
Goiás 30% R$ 1,88
Maranhão 31% R$ 1,80
Mato Grosso 25% R$ 1,49
Mato Grosso do Sul 30% R$ 1,79
Minas Gerais 31% R$ 1,92
Pará 28% R$ 1,69
Paraíba 29% R$ 1,68
Paraná 29% R$ 1,66
Pernambuco 29% R$ 1,71
Piauí 31% R$ 1,95
Rio de Janeiro 34% R$ 2,20
Rio Grande do Norte 29% R$ 1,77
Rio Grande do Sul 30% R$ 1,84
Rondônia 26% R$ 1,58
Roraima 25% R$ 1,41
Santa Catarina 25% R$ 1,44
São Paulo 25% R$ 1,41
Sergipe 29% R$ 1,77
Tocantins 29% R$ 1,78

(*) Foi usada taxa de ICMS dos estados indicada pela Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis) para que fossem calculadas as proporções.

(**) Dessa forma, foi feita comparação do valor médio até a segunda semana de outubro, segundo a ANP, em relação a taxa de ICMS da Fecombustível

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes