Relembre as promessas de Bolsonaro sobre os preços da gasolina

A gasolina e o diesel não param de aumentar. O bolso do brasileiro já sente os efeitos com os reajustes anunciados pela Petrobras. Com isso, governo de Bolsonaro estuda estabelecer valor fixo para o ICMS, a fim de conter os aumentos. Veja todas as propostas já feitas por Bolsonaro sobre os combustíveis,

Ainda quando era candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro (sem partido) já falava sobre seus planos em diminuir  o preço da gasolina e dos demais combustíveis, fornecidos, principalmente, pela Petrobras. A pauta que reapareceu algumas vezes durante seus primeiros anos de mandato, voltou agora com força em 2021.

Os aumentos anunciados pela Petrobras, que só neste ano já realizou o quinto reajuste no preço dos combustíveis vendidos às refinarias, tem chamado a atenção e preocupado a população. Apesar de nada ter a ver, teoricamente, com o consumidor final da gasolina, do diesel e do gás de cozinha, o aumento reflete sim, no bolso dos brasileiros.

Eis que eleitores e opositores de Jair Bolsonaro resolveram então reviver seus discursos e promessas sobre a gasolina quando ainda concorria para o cargo de presidente. O DCI separou algumas destas declarações, confira a seguir:

Bolsonaro promete gasolina a 2,50

Após "piada" homofóbica de Bolsonaro, governador quer processá-lo
Foto: Reprodução

Em um dos seus panfletos de divulgação, quando ainda era pré-candidato, em julho de 2018, Jair Bolsonaro afirmou que em seu governo tornaria  um litro de gasolina em R$ 2,50. Na época, a gasolina estava com um preço médio nas bombas de R$ 4,48, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, do Gás  Natural e dos Biocombustíveis (ANP).

O panfleto abaixo é atribuído a campanha de Jair Bolsonado, na corrida eleitoral de 2018:

Bolsonaro volta a falar sobre gasolina

Em outubro de 2018, pouco antes do primeiro turno das eleições presidenciais, Jair Bolsonaro se encontrou com líderes no Rio de Janeiro, e no evento, concedeu uma entrevista coletiva à imprensa, onde afirmou que uma de suas metas como presidente da República seria diminuir o valor da gasolina.

“Se cada litro de gasolina que você paga aqui no Rio de Janeiro, você vota R$1,60 a partir do ICMS (…) o que nós pretendemos fazer, junto com a equipe econômica, é buscar de fato a independência do petróleo. Sabemos a dificuldade que a empresa [Petrobras] tem de explorar, porque é uma empresa que foi quebrada pelo PT. Mas temos que buscar uma maneira, já que temos uma estatal que pratica o monopólio, de tirar o combustível e colocar o combustível na bomba dos postos do Brasil com preço compatível com a realidade brasileira.”

Bolsonaro promete zerar imposto do combustível

Após completa um ano de mandato, em fevereiro de 2020, Bolsonaro prometeu que zeraria o imposto da gasolina e do diesel, e também desafiou os governadores a zerarem o ICMS (imposto estadual sobre o preço de venda e compra dos produtos, neste caso, os combustíveis). Eu estou aqui fazendo papel de otário. Quanto é que vai baixar na bomba para o consumidor

Leia também

Calendário do Bolsa Família; veja quando será o pagamento do…

Veja como fazer consulta do auxílio emergencial pelo celular

“Pelo menos a apuração já começou a ver de quem é a responsabilidade. Não tô brigando com governador.  O que eu quero é que o ICMS seja cobrado lá na refinaria, e não nas bombas. Eu retiro o imposto federal da gasolina, e os governadores fazem o mesmo. Está feito o desafio.”

Bolsonaro promete não intervir na Petrobras

No dia 5 de fevereiro de 2021, após se reunir com o então presidente da estatal, Roberto Castello Branco, o presidente afirmou com todas as palavras que não deseja intervir nos preços das refinarias da Petrobras.

 “Jamais controlaremos preços da Petrobras. A Petrobras está inserida em contexto mundial de políticas próprias, e nós a respeitamos”.

Entretanto, passado alguns dias da reunião, Bolsonaro afirmou durante sua live semanal no YouTube que seria quase “impossível” a Petrobras não mudar. O que foi entendido como uma “ameaça” por diversos especialistas da área, não demorou a acontecer. O mandatário demitiu Roberto Castello Branco e indicou o general Joaquim Silva e Luna para a presidência da estatal. A troca de presidentes chamou atenção, já que coincidentemente, foi interpretada como o oposto dito por Bolsonaro.

Bolsonaro quer valor fixo do ICMS para conter aumento na gasolina

cédula de 100 reais sobre uma outra cédula de 50 reais - matéria sobre Bolsonaro e gasolina
O preço da gasolina deve aumentar nas bombas dos postos de combustíveis. (Foto: Pixabay)

Logo nos primeiros dias de fevereiro de 2021, Jair Bolsonaro voltou a falar sobre os preços da gasolina. A medida para conter os aumentos, estava sendo estudada por membros do seu governo. Estabelecer um preço fixo para o ICMS poderia ajudar a realizar tal feito.

O imposto, que hoje é decidido somente pelos governos estaduais, passaria a ser fixo. O valor seria definido em conjunto com as assembleias legislativas, para que nenhuma arrecadação estadual fosse afetada negativamente. Bolsonaro chegou a garantir que os governadores não teriam que “abrir mão de qualquer arrecadação”, mas a proposta não foi vista com bons olhos.

Apesar de não ter citado um valor estimado que seria taxado e fixo para o ICMS, Bolsonaro deseja que o imposto tenha uma “previsibilidade” parecida com a tarifa do tributo federal PIS/Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) sobre o preço dos combustíveis, que é de R$ 0,35 por litro.

O que é o ICMS sobre os combustíveis?

O ICMS nada mais é uma tarifa estadual sobre a venda e transporte dos produtos comercializados no país, e pode variar de acordo com o tipo de mercadoria e região No caso da gasolina, por exemplo, o ICMS é cobrado no momento da venda do combustível no posto de gasolina, e cada estado pratica uma porcentagem própria. O valor na bomba é maior que nas refinarias e a variação do preço pode gerar instabilidade econômica.

O que influencia o preço dos combustíveis?

Três fatores são considerados “pilares” no quesito do preço dos combustíveis. Isto porque eles definem e também interferem no valor das refinarias. Sendo então:

  • O preço de paridade de importação: valor do produto no mercado internacional acrescido de frete e custos de manutenção de transporte;
  • Influência da taxa de câmbio – cotado em dólar;
  • Variação do valor no mercado internacional.
Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes