Web questiona fim de imposto para arma e taxação de livros

A alíquota de importação de pistolas e revólveres foi de 20% para zero; a medida passa a valer em 1 de janeiro de 2021

A internet parece não ter recebido com bons olhos a isenção de imposto para arma. Bastou apenas alguns momentos após o anúncio do próprio presidente de que a alíquota de pistolas e revólveres tinha sido zerada e a notícia repercutir, que os internautas começaram a reagir, mas não positivamente. 

A medida foi publicada nesta quarta-feira, 9, no Diário Oficial da União, por uma comissão da Câmara de Comércio Exterior (Camex), mas entra em vigor no dia 1° de janeiro de 2021. Na prática, ela zera imposto de importação de revólveres e pistolas, que antes era de 20%. 

Vacinação contra a Covid-19 pode iniciar ainda em dezembro, diz Pazuello

Isenção de imposto para arma e taxação de livros

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O anúncio da isenção de armas foi criticado na web. Os usuários relembraram da reforma tributária proposta por Paulo Guedes, ministro da Economia, que prevê a cobrança de impostos sobre livros, e traçaram um comparativo. A criação da Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS) vai taxar livros em 12%.

Isenção de armas VS Coronavírus 

Além de traçar um paralelo sobre a isenção de armas e a taxação de livros, os internautas também criticaram a medida e reforçaram que neste momento esta não deveria ser a prioridade. Ironizando a decisão, eles falaram sobre pandemia causada pelo coronavírus que assola o mundo e que já matou 178 mil brasileiros e 1,5 milhão de pessoas no planeta em menos de um ano. A vacina também está entre as reivindicações. 

Bolsonaro e o discurso pró-arma

Antes mesmo de ser eleito, Bolsonaro já demonstrava ser a favor de facilitar o acesso de armas ao cidadão comum, sendo este, inclusive, um dos discursos usados para conquistar o eleitorado e se eleger. A isenção de armas, agora, se soma às outras já tomadas pelo presidente para continuar dando curso à flexibilização do uso de armas. 

Em maio deste ano, uma outra medida pró-armas foi tomada pelo Governo Federal. Uma portaria foi publicada ampliando o acesso à quantidade de munições para quem já tem direito ao porte e à posse de armas. Na prática, pessoas com autorização passaram a poder comprar mais projéteis. 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes