Iza e Leo Santana entram para lista de brasileiros negros mais influentes de 2020

Durante a Assembleia Geral da ONU, a Organização lançou a lista MIPAD. Confira quem são os 10 brasileiros negros mais influentes em 2020.

Dez brasileiros estão na lista dos 100 negros mais influentes do mundo em 2020, a MIPAD. O ranking divulgado na 74ª Assembleia Geral da ONU, na segunda-feira (2).

A saber, a lista Mipad é um projeto da ONU para a Década Internacional de Afrodescentes, durante o período de 2015 a 2024. Sendo assim, ela enumera todos os anos, personalidades importantes para o desenvolvimento, justiça e reconhecimento da África e descendentes. A formação da lista tem divisão em quatro categorias: Mídia e Cultura, Negócio e Empreendedorismo, Humanitarismo e Ativismo, Política e Governança.

É importante lembrar o Brasil é o país com maior população negra fora da África. Contudo, é a minoria no país, segundo dados do Pnad/IBGE 2019. Cerca de 9,3% dos brasileiros de autodeclaram negros. Sendo assim, o ranking MIPAD representa a importância da negritude na sociedade e a quebra de estereótipos e racismo no Brasil, ao eleger 10 brasileiros negros mais influentes do mundo em 2020.

1. Paulo Paim

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Profissão: Senador da República

Categoria: Edição Especial

Foto:Roque de Sá/Agência Senado

 

Paulo Renato Paim, 70, é político desde o fim da década de 1980. Natural de Caxias do Sul, teve quatro mandatos como deputado federal do Rio Grande Sul e agora ocupa a cadeira de Senador pela terceira vez, pelo Partido dos Trabalhadores (PT).

Quando jovem, participou de movimentos estudantes em prol da liberdade e democracia,  contra a Ditadura (1964-1985). Contudo, Paim ganhou notoriedade política ao integrar o Sindicato dos Metalúrgicos de Canoas em 1981. Liderou manifestações da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Rio Grande do Sul. Além disso, fez parte da Assembleia Constituinte, em 1988, para elaborar a atual Constituição Federal.

2. Erica Malunguinho

Profissão: Deputada Estadual

Categoria: Política e Governança

Foto:Reprodução

Érica da Silva, 38, é a primeira mulher transexual da Assembleia Legislativa de São Paulo. A Deputada Estadual – PSOL, é natural de Recife (PE) e foi para São Paulo para estudar. Mestra em Estética e História da Arte pela Univerdade de São Paulo (USP), também atuou como professora e agente cultural. Em 2016, foi uma das fundadoras do quilombo urbano Aparelha Luiza, local que ela chama de “lugar de reequílibrio de forças que projeta uma alternância de poder, como bem deveria ser regra na dita democracia”.

Sendo assim, Érica atua em diferentes setores da sociedade, a saber: luta antirracista, educação, saúde, cultura, povos tradicionais, comunidades de terreiro, mulheres, população LGBTQIA+ e população carcerária.

 

3. Alan Soares

Profissão: trader, empresário, fundador do Movimento Black Money

Categoria: Negócios e Empreendedorismo

Foto:Divulgação

Alan Soares, natural do Rio de Janeiro, é empresário e fundador do Movimento Black Money (MBM). A organização é uma hub, ou seja, uma empresa tecnológica que gerencia startups. Sendo assim, StartBlackUP, Afreektech, DBlackbank e Mercado Black Money fazem parte do Movimento.

Dessa forma, Alan é um dos pioneiros na luta do empreendedorismo e geração de negócio entre a comunidade negra. “Essa é uma comunidade desprovida de poder, tanto institucional quanto financeiro. Não há interesse em financiar programas e políticas públicas específicas para os negros. Qualquer que seja o contexto político do país, os negros saem perdendo”, diz Soares, em entrevista à Revista Forbes. Sendo assim, para o empresário, “o MBM foi uma reação a tudo isso, uma tentativa de construir uma outra narrativa para uma minoria oprimida”, acrescentou.

4. Samantha Almeida

Profissão: Diretora do Twitter Next no Brasil

Categoria: Negócios e Empreendedorismo

Foto:Divulgação

Samantha Almeida, 39, é publicitária e atual líder do Twiitter Next. Sendo assim, a mulher influente é responsável pela área de desenvolvimento de estratégias, campanhas e novos formatos para anunciantes.  Nasceu na comunidade da Rocinha no Rio de Janeiro na década de 1980. Antes do Twitter, Samantha era diretora de Contéudo na Ogilvy Brasil. Além disso, teve atuação anterior em Mídia e Redes Social na Avon.

“Quando cheguei no mercado da comunicação sentia uma falta que ainda não sabia explicar, mas que depois se tornaria uma assinatura. Entendi que eu gostava de entretenimento, mas que aquele que eu conhecia não contemplava pessoas como eu. Nem minha cultura, nem na minhas referências, nem nas minhas origens. Por isso, quando comecei a liderar a construção de narrativas passei a inserir as faltas que eu sentia, que passavam obrigatoriamente por raça, gênero e classe”, disse Samantha em entrevista ao portal Mundo Negro.

5. IZA

Profissão: Cantora e Compositora

Categoria: Mídia e Cultura

 

A cantora carioca, IZA, 30, também entrou na lista de negros mais influentes de 2020. Também compositora, iniciou a carreira artística em 2016. Com seu primeiro álbum, Dona de Mim (2018), recebeu a indicação ao Grammy Latino de Melhor Álbum Pop Contemporâneo em Língua Portuguesa.

Além disso, uma das músicas de IZA já fez parte da trilha sonora da novela global O Sétimo Guardião. Sobretudo, a cantora pop é jurado no reality The Voice Brasil e uma das apresentadoras do programa Música Boa, ambas da Rede Globo.

Por fim, IZA tornou-se referência no mundo da música, com os hits Dona de Mim, Pesadão e Brisa.

6. Leo Santana

Profissão: Cantor

Categoria: Mídia e Cultura

Foto:Divulgação

Léo Santana, 32, é um dos maiores cantores baiano do gênero musica Axé. O terceiro homem entre os 10 brasileiros negros mais influentes, ganhou reconhecimento nacional com a música Rebolation(2011), quando estava no grupo Parangolé. Contudo, em 2014, começou a carreia solo e desde então acumulou vários sucessos, com músicas entre as mais tocadas em todo o Brasil. Sendo assim, seus principais hits são Contatinho, Invocada, Crush Blogueirinha, Liga Liga e Santinha.

 

7. Renan Souza

Profissão: Jornalista – Editor internacional da CNN Brasil

Categoria: Mídia e Cultura

Foto:Reprodução/Twitter @Renan_Azuos

Renan Souza é jornalista e internacionalista premiado por Comissão Europeia de Turismo, Departamento de Estado dos EUA  e Senado da Argentina. Com passagem anterior no SBT como editor e coordenador de Internacional, hoje atua na CNN.  Além disso, Renan viajou 53 países e estudou nos Estados Unidos e Israel.

 

8 e 9. Betty Agi e Brenda Agi

Profissão: Fundadoras da ONG Compaixão Internacional

Categoria: Negócios e Empreendedorismo

Foto:Reprodução/Compaixão Internacional (Betty á esquerda e Brenda à direita)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As irmãs Betty e Brenda são fundadoras da ONG Compaixão Internacional. Filhas de pai moçambicano e mãe brasileira, as duas atuam diretamente na organização de forma voluntária, a fim de promover o empreendedorismo social para jovens e adultos.

Além disso, Betty Agi e Brenda Agi ministram palestras e prestam consultoria e gerência de projetos na empresa Genial Projetos. Por fim, foram palestrantes no TEDx em Belo Horizonte (MG) em 2018 e na cidade de  Anápolis (GO) em 2019.

 

10. Ingrid Silva

Profissão: Bailarina e ativista

Categoria: Humanitarismo e Ativismo

 

Foto:Reprodução

A bailarina Ingrid Silva faz parte da lista dos 10 negros brasileiros mais influentes. Nasceu no Rio de Janeiro. Começou a dançar balé aos 8 anos e participou de Projeto Dançando Para Não Dançar. Além disso, estudou na  Escola de Dança Maria Olenewa e no Centro de Movimento Debora Colker. Ainda adolescente, a bailarina  ganhou uma bolsa de estudos nos Estados Unidos para o Dance Theathe of Harlem School, em 2007. Até hoje, ela pertence a companhia de dança.

Já atuou como artista convidada no Dançando Para Não Dançar (Brasil), Armitage Gone! Dance (EUA), Francesca Harper Project (EUA). Também, Ingrid foi embaixadora cultural dos EUA ao ministrar workshops na Jamaiza, Honduras e Israel. Além disso, foi destque no filme Maré, Nossa História de Amor (2007), com direção de Lúcia Murat e Karolina Specht.

Por fim, a bailarina recebeu o prêmio Leão de Prata em Cannes, em 2016, pela atuação na campanha publicitária da Activia.

 

“Eu sempre pensei que a dança poderia ser meu sonho e eu estou tão feliz, de compartilhar sobre minha vida e meu mundo de dança com você, a dança realmente mudou a minha vida.”

Informar Erro

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes