Marcelo Crivella, prefeito do Rio, é preso a 9 dias de terminar o mandato

A nove dias para terminar o mandato, prefeito Marcelo Crivella é preso na Operação Hades, que atua diretamente no QG da Propina do Rio

Operação da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) prendeu na manhã desta terça-feira (22), o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos). O motivo da prisão foi o suposto ‘QG da Propina’ na prefeitura do Rio.

Ao chegar à Delegacia Fazendária, na Cidade da Polícia, onde presta depoimento, Marcelo Crivella, que encerra o mandato em nove dias, deu uma rápida declaração a jornalistas. “Fui o prefeito que mais combateu a corrupção na prefeitura do Rio de Janeiro”, declarou, dizendo ainda que agora espera “justiça”.

Crivella disputou à reeleição em novembro, mas foi derrotado por Eduardo Paes (DEM) no segundo turno. Como o vice-prefeito Fernando McDowell morreu em maio de 2018, quem assume o comando da cidade é o presidente da Câmara de Vereadores, Jorge Felipe (DEM).

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Operação Hades – prisão de Marcelo Crivella

Marcelo Crivella, prefeito do Rio é preso a 9 dias de terminar o mandato
Polícia Civil na frente do condomínio de Marcelo Crivella na manhã de hoje (Foto: Paulo Renato Soares/TV Globo)

Deflagrada em março deste ano, a Operação Hades investiga o chamado ‘QG da Propina’, na Prefeitura do Rio. Este foi o motivo da prisão de Marcelo Crivella na manhã de hoje.

‘QG da Propina’ é um suposto esquema de pagamentos de proprina para a liberação de contratos da prefeitura.

Operação Hades

Além de Crivella, foram presos também o empresário Rafael Alves, o delegado aposentado Fernando Moraes, o ex-tesoureiro da campanha de Crivella, Mauro Macedo, além dos empresários Adenor Gonçalves dos Santos e Cristiano Stockler Campos, da área de seguros.

O ex-senador Eduardo Lopes também é alvo da operação. No entanto, ele não foi encontrado em sua casa no Rio. Ele teria se mudado para Belém e deverá se apresentar à polícia. Ele foi senador do Rio pelo Republicanos, ao herdar o cargo de Marcelo Crivella, e foi secretário de Pecuária, Pesca e Abastecimento do governador afastado Wilson Witzel.

Todos os presos vão passar por uma audiência de custódia às 15h, no Tribunal de Justiça, para que a legalidade do procedimento seja avaliada, conforme determinou o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes