Prefeitura do Rio aumenta restrições para noite de réveillon

A queima de fogos na praia de Copacabana já havia sido cancelada por Marcelo Crivella (Republicanos), agora o prefeito em exercício ampliou as proibições.

A prefeitura do Rio de Janeiro as medidas restritivas para evitar aglomeração de pessoas durante o réveillon na cidade. O prefeito em exercício Jorge Felippe (DEM) decretou que vai proibir qualquer queima de fogos e o uso de equipamentos de som em toda a orla da cidade. A tradicional festa da virada em Copacabana já havia sido cancelada, além disso, o acesso ao bairro foi restrito a moradores apenas.

Réveillon Rio de Janeiro

Uma das viradas mais famosas do mundo já havia sido cancelada. Marcelo Crivella (Republicanos) tinha decidido que a queima de fogos em Copacabana estava suspensa para evitar aglomerações. O evento levava milhões de pessoas à orla.

As festas em quiosques foram canceladas. Entretanto, os quiosques podem funcionar como vêm operando desde a reabertura, em julho, “com quantidade reduzida de mesas, distanciamento de 1,5 m entre elas, e seguindo todos os protocolos de segurança e higiene”, segundo a concessionária Orla Rio.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Contudo, ontem (26), Jorge Felippe decidiu aumentar as medidas restritivas na cidade durante o réveillon. O decreto será publicado na segunda-feira (28). O prefeito dará também mais esclarecimentos sobre as proibições.

Verão no Rio: banhistas ocupam toda a faixa de areia
Praias no Rio (Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)

Restrições no réveillon do Rio

  • Fica proibida a queima de fogos em toda a orla da cidade, incluindo da rede hoteleira durante a virada.
  • Proibição do uso de equipamentos de som em toda a extensão da orla durante a virada.
  • A prefeitura vai bloquear estacionamentos a partir do dia 31 de dezembro.
  • O trabalho dos ambulantes será restringido. A permanência de barraqueiro em ponto fixo na rola fica proibida durante a noite da virada.
  • Ônibus, micro-ônibus e vans de fretamento não poderão entrar na cidade do Rio de Janeiro a partir de meia noite do dia 1° de janeiro até às 6h.

Prefeito Jorge Felippe

O parlamentar que decidiu pelas restrições é o prefeito em exercício Jorge Felippe (DEM), que assumiu o cargo quando Crivella foi preso e afastado. Jorge era presidente da câmara municipal do Rio, está no posto executivo, pois o vice-prefeito, Fernando Mac Dowell, morreu em 2018.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes