Complexo do Ibirapuera vai ser transformado em shopping? Veja o projeto

Embora enfrente ampla rejeição popular, a ideia de conceder o Complexo do Ibirapuera à iniciativa privada deu um importante passo para sua efetivação

O projeto apresentado pelo Governo do Estado de São Paulo que quer transformar o ginásio do Ibirapuera em um centro comercial vem gerando indignação e protestos por parte dos paulistas. A intenção é conceder toda a estrutura do complexo à iniciativa privada, que ficará responsável por fazer a conversão da área em um “centro comercial, de entretenimento e gastronomia”. 

Apesar de enfrentar ampla rejeição popular, o projeto deu mais um passo para ser concretizado, uma vez que o pedido de tombamento protocolado por um morador da região ainda em 2017 foi rejeitado no final de novembro pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat). Na prática, sem o tombamento, as construções que compõem toda a  estrutura do Complexo do Ibirapuera podem ser derrubadas. 

Mas o que é o ginásio do Ibirapuera?

O Complexo Esportivo Constâncio Vaz Guimarães, também conhecido popularmente como ginásio do Ibirapuera, é uma área de 95 mil m² construída há mais de 60 anos, com equipamentos destinados a práticas esportivas e que recebem por ano competições importantes, como mundial de basquete, de vôlei e de handebol. O ginário abriga:

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

  • Ginásio Geraldo de Almeida (Ginásio do Ibirapuera);
  • Estádio Ícaro de Castro Mello, usado para futebol, rúgbi e atletismo;
  • Conjunto Aquático Caio Pompeu de Toledo;
  • Ginásio Poliesportivo Mauro Pinheiro;
  • Palácio do Judô; 
  • Quadras de tênis; 
  • Canchas de bocha.

Além de todos os equipamentos, o Complexo do Ibirapuera ainda abriga o alojamento do Projeto do Futuro, programa estadual que já revelou diversos nomes brasileiros importantes no Judô e no Atletismo. 

Foto: Reprodução/Governo de São Paulo

 Complexo do Ibirapuera após a privatização

Segundo o Blog Olhar Olímpico, do Uol, projeto elaborado pelo Governo do Estado prevêque o Ginásio do Ibirapuera possa ser transformado em um shopping center de 31 mil m², o que o categoriza como um empreendimento tradicional e regional do setor.

Além disso, três torres seriam construídas onde hoje fica o alojamento dos atletas e o Conjunto Aquático Caio Pompeu de Toledo. Uma delas funcionaria como “apart hotel”, a outra como hotel e a terceira seria destinada a escritórios. 

Além disso, pelo projeto, a empresa que vencesse a licitação seria obrigada a construir uma Arena Multiuso para 20 mil pessoas. Os estudos do governo estadual indicam que o equipamento poderá ser construído no Estádio Ícaro de Castro Mello, mas isso vai depender da vontade da concessionária. 

Já para continuar atendendo a demanda do uso esportivo, seriam construídas duas quadras poliesportivas e uma pista de skate street, que somariam apenas  2 mil M² do total de 95 mil que todo o complexo dispõe. O restante poderá ser usado para a empresa obter receita. 

STF dá 48 horas para bolsonaro definir início da vacinação contra Covid

Atletas serão remanejados 

Caso o projeto emplaque e a área seja efetivamente concedida à administração da iniciativa privada, os atletas que atualmente estão alojados no Complexo do Ibirapuera e usam sua estrutura esportiva para treino, serão remanejados para Baby Baroni, na Água Branca, que já está há 7 anos em reforma. 

Futuro do Complexo do Ibirapuera 

Apesar de trazer todos os  indicativos em seu plano, o futuro do Complexo do Ibirapuera ainda vai depender da vontade da empresa que ganhar a licitação, que pode colocar em prático tudo o que está no plano estadual ou não, com exceção das iniciativas obrigatórias que terá que cumprir. 

Ainda de acordo com o Blog Olhar Olímpico, quando o Governo do Estado lançou o Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), que faz um consulta sobre a intenção de mercado para o setor, sete propostas foram recebidas pelo Complexo do Ibirapuera. Seis delas previam um centro comercial, mas só três um hotel. Outras três consideravam manter o complexo, mas substituindo o Ginásio do Ibirapuera por um novo. Também houve projetos que previam museus e até mesmo o uso residencial.

Saiba como é morar na Vila Mariana

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes