João Doria faz sugestão a Bolsonaro: ‘começar a trabalhar’

Comunicado do governador do Estado de São Paulo, João Doria, se refere aos ataques feitos nesta quarta-feira (28) pelo presidente Jair Bolsonaro em reunião com seus apoiadores. Em nota, o governador diz que “o Brasil não quer um presidente que só pensa em reeleição”.

Nesta quinta-feira (29), o governador do Estado de São Paulo, João Doria pediu que o presidente Jair Bolsonaro parasse de atacá-lo. Na quarta (28), Bolsonaro disse a apoiadores que o Estado de São Paulo só “não quebrou” por conta da ajuda do Governo Federal durante a pandemia em razão da covid-19.

Nesta quinta, contudo, João Doria comentou a fala de Bolsonaro  e disse que o Brasil “não quer um presidente que só pensa em reeleição“: “Recomendo ao presidente Bolsonaro parar de me atacar e começar a trabalhar. O povo não quer briga, quer emprego. O Brasil não quer divisão, quer compaixão”, disse em nota.

Bolsonaro voltou a falar de João Doria na última quarta-feira (28) em reunião com seus apoiadores. Na ocasião, o presidente ironizou o fato de ter o governador de São Paulo como presidente do Brasil. ““Imagina se tivesse o João Doria como presidente. Esse da vacina obrigatória, que fechou tudo em São Paulo e só não quebrou São Paulo dado ao auxílio do governo federal“. E continuou:  “Aumentou tudo, tudo que possa imaginar, e ainda fala em obrigar tomar a vacina. Que lunático!“.

Bolsonaro criticou João Doria por obrigatoriedade de vacina

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Na semana passada, Bolsonaro criticou João Dória pela divergência de opiniões sobre a obrigatoriedade da vacinação. O presidente defende a não imposição, ao contrário de Dória, além de divergirem sobre a eficácia da vacina CoronaVac – parceria da China com Instituto Butantã e a Vacina de Oxford – parceria do Governo Federal com a Universidade de Oxford.

Na ocasião, sem mencionar o tucano, Bolsonaro disse que “tem governador que está se intitulando médico do Brasil””.  No mesmo dia, Bolsonaro afirmou através das redes sociais que o Ministério da Saúde é quem irá oferecer a imunização, mas sem impor ou obrigar seu uso em qualquer circunstância, ao contrário da opinião de Doria.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes