Litoral de SP vai manter as praias fechadas no réveillon

Centro de Contingência do Coronavírus do Estado de São Paulo havia anunciado que todas as cidades deveriam regressar à fase vermelha.

As cidades do litoral de São Paulo decidiram que vão se manter na fase amarela. A decisão vai contra o decreto do governo do estado, que informou que todos os municípios deveriam regressar à fase vermelha nos dias 25,26 e 27 de dezembro e 1,2 e 3 de janeiro. No entanto, os municípios vão manter as praias fechadas no réveillon.

O rebaixamento seria temporário para evitar a disseminação exacerbada do vírus da COVID-19 durante as festas de fim de ano.

O anuncio foi feito pelo prefeito de Santos, Paulo Barbosa (PSDB), em uma coletiva de imprensa na tarde de ontem (23). “Nós decidimos enquanto Baixada Santista manter a região na fase amarela”, afirmou.

Foi determinado, então, que as cidades litorâneas seguiriam na fase amarela. Barbosa, presidente do Condesb, afirmou que seria inviável retroceder à fase vermelha neste momento. “Retroceder para a fase vermelha, num momento como esse onde já há um planejamento das pessoas, os comércios têm estoque, funcionários contratados. É impraticável para a região da Baixada Santista, que é a região que recebe o maior fluxo de pessoas durante esse período [de festas de final de ano]”, disse.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O que é a fase amarela?

Nesta fase, comércios não essências como restaurantes, bares,  lojas, academias podem funcionar até durante  10 horas diárias com lotação máxima de 40%.

Na fase vermelha, apenas os serviços essenciais, como farmácias e supermercados, podem abrir.

Praias fechadas no litoral de SP

Contudo, as praias da Baixada serão fechadas dia 31 de dezembro e 1 de janeiro, data em que mais pessoas vão à orla. A região é formada por Santos, São Vicente, Guarujá, Praia Grande, Bertioga, Cubatão, Itanhaém, Peruíbe e Mongaguá.

Durante os dias 25,26 e 27 de dezembro e 1,2 e 3 de janeiro, a entrada de ônibus e vans turísticos não será permitida também. Além disso, os prefeitos também querem que as barreiras sanitárias também sejam realizadas nas rodovias, sob responsabilidade do Estado.

“Entendemos que isso é um estímulo à vinda de turistas para a Baixada. A Artesp precisa se posicionar diante da Ecovias para impedir que essas operações sejam montadas e, consequentemente, isso possa gerar um estímulo à vinda de pessoas para a Baixada”, explicou Paulo Barbosa.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes