São Paulo deve entrar em lockdown? Veja o plano do governo

Ontem (30), o governador João Dória (PSDB) anunciou que seis regiões do estado vão regressar à fase amarela para maior controle dos casos de cornavírus.

Um dia após a reeleição de Brunos Covas (PSDB) na capital paulista, o governador João Dória (PSDB) decretou que o estado de São Paulo deve regressar à fase amarela, mas descartou o lockdown. Covas também afirmou que seria inviável aplicar tal medida em um munícipio do tamanho de São Paulo e que o lockdown não foi adotado nem na fase mais crítica da pandemia do coronavírus.

Lockdown o que é?

É caracterizado pelo bloqueio total das entradas de determinada região. A medida pode ser adotada em âmbito municipal, estadual ou nacional. É uma medida extrema que os governos podem adotar em momentos de calamidade pública em que o confinamento total é a única saída.

Em 2020, algumas cidades e estados entraram em lockdown para tentar controlar a disseminação do coronavírus. Em São Paulo o lockdown foi discutido, mas não chegou a ser implementado.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

foto mostra cidade em lockdown
Foto: EFE/Fernando Bizerra

Retorno à fase amarela em São Paulo

Ontem (30) o governador do estado, João Dória (PSBD) fez um comunicado afirmando que o estado de São Paulo deve regressar à fase amarela, por conta do aumento de casos e internações por COVID-19.

Fase Amarela em SP: o que muda?

  • Capacidade limitada a 40% de ocupação a todos os setores
  • Funcionamento máximo e limitado a 10h por dia (na fase verde este era de 12h por dia)
  • Estabelecimentos como bares e restaurantes devem funcionar até as 22h
  • Shoppings centers, galerias, salões de beleza e barbearias terão redução de público (antes o permitido era 60%, na fase amarela em SP é permitido 40%)
  • Proibição de eventos que contenha público em pé
  • Academias só poderão atender até 30% da capacidade do local e aulas e práticas em grupo estariam suspensas

Quais regiões que entram na Fase Amarela em SP

Com a medida, por prevenção, seis das 17 regiões que estavam na fase verde, a menos restritiva, entre elas a cidade de São Paulo, regridem e devem voltar a reduzir o funcionamento de comércios e serviços. Já as demais 11 regiões, que já estavam na fase amarela, não avançam e seguem no mesmo estágio.

As escolas, particulares e públicas, que estão abertas desde setembro e outubro em todo Estado, continuam em funcionamento.

Monitoramento dos casos

Com o aumento dos casos e retorno à fase amarela, a partir de agora, o prazo de análise de dados da pandemia passa a considerar intervalos de sete dias, e não mais a cada quatro semanas.

O Governo de São Paulo publicou nesta terça-feira (1º), no Diário Oficial do Estado, os decretos com a atualização das normas do Plano São Paulo e com a extensão do período de quarentena até 4 de janeiro de 2021.

Casos em são Paulo – lockdown

Dados divulgados ontem mostram que São Paulo registra 406.903 casos da doença e 14.394 mortes.

Segundo a secretária do Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, houve aumento na semana epidemiológica número 46, aumentou 18% em internações. Na próxima semana, a 47, aumentou em 17% e na última semana, a 48, o aumento foi de 7%. “Ainda que seja um aumento que não seja tão drástico, nem de perto do que está acontecendo na Europa, é um aumento. Esse aumento nos traz a necessidade de voltar a aplicar as regras do período de estabilidade da pandemia por segurança”, afirmou a secretária.

Lockdown em São Paulo é descartado

Mesmo com aumento de casos e retorno à fase amarela, o lockdown foi descartado na cidade de São Paulo. “Muito difícil realizar lockdown numa cidade que tem 1.762 ruas, que ou de um lado é São Paulo e outro é uma cidade da grande São Paulo ou ela começa na Grande São Paulo e termina em outra cidade. É uma cidade conturbada, é inviável realizar um lockdown”, justificou Covas, em entrevista à Globonews.

Dória também afirmou que “Não há perspectiva de lockdown. Não usamos durante todos meses, desde março, quando tivemos primeiro caso, entendemos que ele não será aplicado”, disse o governador durante coletiva de imprensa.

Anuncio feito um dia depois das eleições

Como o anuncio do retorno à fase amarela aconteceu menos de 24 horas após a vitória de Covas (PSDB) na capital, as pessoas se perguntaram se seria uma estratégia eleitoral. Mas o prefeito afirmou que: “Em nenhum momento a gente se pautou por calendário eleitoral, até porque o mais fácil seria a prefeitura não ter participado desse tipo de discussão, exatamente porque esse é um tema que divide opiniões. Para a prefeitura seria muito mais fácil não ter se envolvido, mas a gente sempre se envolveu e sempre vai atuar aqui no município, de acordo com as orientações da vigilância sanitária. Sempre o nosso compromisso foi de seguir a ciência”. Além disso, segundo o prefeito, não há espaço para discursos alarmistas, como um lockdown, mas também não há para discursos de que a pandemia acabou. “As pessoas precisam ter em mente que os cuidados permanecem, é preciso evitar aglomeração, usar máscara e álcool em gel.”

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes