Por que a Anvisa ainda não aprovou a CoronaVac?

Dois estudos já foram enviados, mas a Anvisa ainda aguardam um teceiro?

O estado São Paulo já  deu início ao seu Plano Estadual de Imunização (PEI), previsto para começar no dia 25 de janeiro de 2021. Contudo, a  CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e que será utilizada pelo governo paulista para imunização, ainda não obteve a aprovação final da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão federal responsável por fiscalizar e regular a produção de imunizantes no Brasil.  Entenda a seguir o motivo e qual será a programação de vacinação. 

O que falta para a Anvisa aprovar a vacina? 

Para que a CoronaVac ou qualquer outra vacina seja aprovada, é necessário que elas passem por uma série de etapas. A CoronaVac já está em fase avançada, mas ainda não terminou todas elas. 

Segundo a Folha de São Paulo, cada passo a passo tem objetivos específicos. Confira cada um deles:

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

  1. Estudos pré-clínicos: a primeira fase consiste em analisar de que forma o imunizante vai reagir no organismo do hospedeiro. Ela acontece antes mesmo do início dos testes em seres humanos;
  2. Autorização para estudos em humanos: para que os testes em humanos comecem a ser realizados, primeiro é necessário que a empresa ou o órgão que vai fabricar a vacina obtenha a aprovação dos Comitês de Ética em Pesquisa e/ou da Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa);
  3.  Dossiê de Desenvolvimento Clínico de Medicamentos (DDCM): o DDCM consiste em um documento feito pela fabricante da vacina contendo informações detalhadas sobre ela e sobre seu estudo. Na Anvisa, o DDCM será analisado pelo  Comitê de Avaliação de Estudos Clínicos, Registro e Pós-Registro de Medicamento, responsável por analisar o estudo pré-clínico e autorizar ou não o início da testagem em humanos;
  4.  Estudos em humanos: o teste da vacina em humanos deve ser feito em três etapas (I II III) para verificar a eficácia da vacina. Cada uma delas cumpre objetivo diferente para o desenvolvimento da vacina;
  5. Pedido de registros de vacina: após passar por todo este processo, o fabricante deve solicitar o registro de vacina à Anvisa. Para isso, porém, terá que apresentar mais uma série de documentos, como o Certificação de Boas Práticas de Fabricação (CBPF), Autorização de Funcionamento (AFE), justificativa para o registro, plano de farmacovigilância e informações gerais sobre o produto e sobre sua matéria prima. Vacinas que estão na terceira fase de estudo em humanos já podem solicitar o registro, desde que seja comprovada uma alta eficácia do produto.

Atualmente, a CoronaVac está na terceira fase do estudo em humanos. Os documentos do primeiro teste realizado em voluntários foi enviado no dia 2 de outubro e a análise já foi concluída. Já o segundo, encaminhado em 30 de novembro, ainda está em exame . Agora, o órgão espera os dados da terceira e última fase, em que deve ser comprovada a eficácia da CoronaVac. A previsão é que o último resultado seja apresentado até o dia 15 de dezembro.

Além disso, a Anvisa precisa enviar um documento sobre a inspeção feita no laboratório da Sinovac na China para que o Instituto Butantã responda. Só assim será elaborado um relatório final que vai conceder ou não a autorização. 

Vacinação em SP deve começar dia 25 de janeiro de 2021

Esperando receber a autorização da Anvisa logo, o governo de São Paulo já anunciou que deve começar a imunizar a população paulista no dia 25 de janeiro de 2021. O primeiro grupo que irá ser vacinado são os profissionais da saúde, os idosos, indígenas e quilombolas, totalizando 9 milhões de pessoas. A imunização será feita com a aplicação de duas doses, em intervalo de tempo de 21 dias.

Veja o cronograma: 

  • Trabalhadores de saúde, indígenas e quilombolas: 1° dose em 25 de janeiro e a 2° em 15 de fevereiro; 
  • Pessoas com 75 anos ou mais: 1° dose em 8 de fevereiro e 2° em 1 de março;
  • 70 a 74 anos: 1° dose em 15 de fevereiro e 8 de março;
  • 65 a 69 anos: 22 de fevereiro a 15 de março;
  • 60 a 64 anos: 1 de março a 22 de março

O governo paulista disse que não vai barrar a vacinação contra Covid-19 em SP para pessoas de outro estado. Ou seja, quem estiver em território paulista no período em que as doses estiverem sendo aplicadas e se enquadrar nos requisitos para receber a dose, pode ser imunizado, mesmo que não resida no estado. 

SP dá início a produção da Coronavac

O Instituto Butantã já deu início à produção da CoronaVac. A informação foi divulgada nesta quinta-feira, 10, durante coletiva promovida pelo Governo de São Paulo. A expectativa é que a fabricação aumente progressivamente, até atingir 1 milhão de doses diárias. Para isso, a fábrica do Instituto Butantã passa a funcionar 24 horas por dia, nos setes dias da semana. Além dos 245 profissionais já envolvidos diretamente na produção da CoronaVac, outros 120 técnicos serão contratados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes