CBS terá alíquota menor em troca de concessão de estados e municípios

A redução será de 12% para 10%, em troca de prever uma alíquota de 10% para estados e de 2% para os municípios

A equipe econômica sinalizou que pode aceitar reduzir a alíquota da Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) de 12% para 10%, segundo a Folha. Por outro lado, a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, quer que o Congresso concorde em prever uma alíquota de 10% para estados e de 2% para os municípios, quando esses entes aderirem à reforma tributária.

 

Alíquota sobre o consumo

Dessa maneira, o país terá um Imposto sobre Valor Agregado (IVA) somando a alíquota de 22%, que incidiria sobre o consumo e representaria a fusão do PIS, Cofins, ICMS e ISS.

De acordo com a equipe econômica, a versão da reforma tributária do deputado Baleia Rossi (MDB-SP) pode resultar em uma alíquota maior que 30%, com a junção dos quatro tributos e o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Entretanto, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) nega o percentual final. A implementação do IVA no modelo da Câmara, chamado IBS, seria implementado em cinco anos.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Até o momento, o ministro Paulo Guedes (Economia) enviou a primeira fase da proposta de reforma tributária, o projeto que funde PIS e Cofins na chamada CBS. Mas a proposta defendida por líderes da Câmara é mais ampla (com a junção de IPI, ICMS, ISS, Cofins e PIS) e com uma transição mais lenta. Portanto, essa reforma inclui tributos federais, estaduais e municipais. O imposto, resultado da fusão, teria o nome de IBS (imposto sobre bens e serviços).

 

 

Unificação dos tributos e alíquota CBS

Segundo o modelo mais recente traçado pelo Ministério da Economia, a reforma iniciaria com a unificação do PIS/Cofins. Em suma, o projeto de lei consiste em substituir o PIS e Cofins pela nova Contribuição Social sobre Movimentação de Bens e Serviços (CBS). A alíquota do novo tributo será de 12%, com possibilidade de dedução do imposto pago em cadeias anteriores do ciclo de produção da empresa.

Com isso, acabaria o chamado modelo cumulativo do PIS/Cofins. Este não permite deduções de imposto pagos ao longo do ciclo, mas tem alíquota muito menor, de 3,65%. O setor de serviços, que não consome muitos insumos ao longo da cadeia, teria um aumento na carga tributária.

Assim, a reforma visa tornar o PIS/Cofins em uma vocação mais simples. Todos os setores terão uma alíquota única, com exceção de instituições financeiras e seguradoras, que devem pagar uma alíquota de 5,8%. A princípio, a proposta não deve afetar o Simples Nacional. Mas o contribuinte que está no Simples e presta serviço para outra pessoa jurídica pode tomar crédito da Contribuição Social sobre Operações de Bens e Serviços.

 

Estados e municípios

A redução da alíquota da CBS para 10%, e de 10% para estados e de 2% para os municípios, permitiria que os mesmos apoiassem uma mudança de regras no Congresso e trocar o ICMS e ISS por parte da arrecadação do IVA amplo. Eventuais perdas seriam compensadas por um incentivo do governo federal de fundos regionais, com uma ajuda de R$ 37 bilhões por ano.

Os estados ainsa buscam um plano mais ambicioso. Por isso, o governo sinaliza a redução da alíquota da CBS com mais espaço para outros entes no imposto único. Segundo técnicos do Ministério da Economia, o cenário é positivo por a arrecadação e a receita deve aumentar.

 

Leia também:

Reforma tributária deve substituir PIS e Cofins por CBS

Mudança no PIS/Cofins pode reduzir carga em até 10%

Informar Erro
Fonte Folha

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes