Ano de 2019 será chave para definir crescimento até o final deste governo

Com eleições municipais no próximo ano e desaquecimento da economia global, os desafios do governo federal de ajustar as contas crescem.

“A recessão terminou oficialmente em 2016, mas desde lá a economia brasileira encontra obstáculos para crescer, especialmente por conta do cenário político, o qual será fundamental para definir o ritmo de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) nos próximos meses, avaliam especialistas. A capacidade do governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) de negociar reformas importantes com o Congresso Nacional é exemplo disso.

Segundo o coordenador do curso de administração do Instituto Mauá de Tecnologia (IMT), Ricardo Balistiero, o governo federal precisa aproveitar este ano para encaminhar e aprovar projetos, tendo em vista as eleições municipais em 2020. “Em ano eleitoral, as negociações se voltam para este processo e ninguém quer aprovar medidas que possam ser impopulares, como é o caso da reforma da Previdência Social”, diz Balistiero. “Não dá para adiar muito essas decisões, até porque o capital político vai se esvaindo ao longo do tempo, ainda mais se o governo Bolsonaro insistir nas pautas conservadoras ligadas aos costumes. Em um cenário como este, corremos risco de crescer abaixo de 2,5% nos próximos anos”, acrescenta o especialista.

Governo federal
Foto: Reproduç]ao/Maranhão Hoje

Para Balistiero, o diagnóstico da equipe econômica de Bolsonaro está correto. Porém, falta agora saber qual será a proposta de reforma da Previdência que será apresentada pela equipe de governo. “Outras duas agendas importantes são a abertura econômica e os projetos de infraestrutura”, destaca o especialista do IMT. O foco nas reformas internas e nos estímulos à economia nacional são importantes para minimizar os efeitos do desaquecimento da economia global.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Ontem mesmo, o Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu de 3,7% para 3,5% a sua projeção para o crescimento do PIB global este ano, e cortou de 3,7% para 3,6% a expectativa para 2020. Diante desse contexto, a instituição diminuiu de 2,3% para 2,2% a expectativa de crescimento do PIB brasileiro em 2020, mas aumentou para 2019 (2,4% a 2,5%).

PIB tem crescimento baixo

A China, nossa principal parceira comercial, cresceu 6,6% em 2018, a menor taxa de expansão do país em 30 anos. Segundo o FMI, a economia chinesa deve avançar 6,2% em 2019 e 2020, mas as tensões comerciais com os Estados Unidos (EUA) podem prejudicar o ritmo de expansão do país parceiro. Os EUA, por sua vez, correm o risco de entrar em uma nova recessão, enquanto a Argentina passa por crise e as nações europeias, por um baixo crescimento. Instituições financeiras entrevistadas pelo Banco Central (BC) já veem uma balança comercial (exportações menos importações) menos favorável para o Brasil.

PIB - exportaçãoA previsão para este ano é de superávit (exportação maior que importação) de US$ 52 bilhões, o qual vai diminuindo nos anos seguintes, em 2020 (US$ 49 bilhões), 2021 (US$ 43,70 bilhões) e 2022 (US$ 41,60 bilhões). Sobre isso, a pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV), Juliana Carvalho da Cunha, conta que a projeção da instituição para o PIB das exportações deve passar de 4,5% em 2018, para 2,6% este ano. “Apesar de menor, ainda é positivo”, diz ela. Cunha comenta que, desde o final da crise, em 2016, o PIB brasileiro vem apresentando crescimento muito baixo, próximo à estagnação, tendo em vista as incertezas políticas. Nos últimos cinco meses, por exemplo, a média mensal de expansão do PIB foi de 0,1%.

A economista do Ibre explica que, parte disso, é explicado pela construção civil. O setor não consegue crescer desde 2014, sendo que ele corresponde à 50% da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, investimentos). Segundo Cunha, a construção deve passar a expandir este ano (+1,8%), mas muito dessa alta é explicada pela base baixa de comparação do que por uma recuperação expressiva do setor. “Alavancar a construção é muito importante para impulsionar a geração de emprego e a renda”, diz. Para isso, Cunha reforça que o encaminhamento das reformas será essencial para puxar para estimular a economia. O Monitor do PIB da FGV apresentou expansão de 0,3% em novembro em relação à outubro, e alta de 1,4% no trimestre encerrado em novembro de 2018, contra igual período de 2017.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes