Auxílio emergencial: nascidos em julho podem sacar última parcela

De acordo com o ciclo 2, os trabalhadores nascidos em julho terão direito de sacar ou realizar transferências bancárias da última parcela recebida do auxílio emergencial nesta quinta-feira (8)

A partir desta quinta-feira (08), os trabalhadores nascidos em julho terão direito de sacar ou realizar transferências bancárias da última parcela recebida do auxílio emergencial. Isso faz parte do ciclo 2, onde o crédito foi liberado em conta no dia 18 de setembro pela Caixa Econômica Federal e disponível para saque e transferência em outubro. Todos os pagamentos são feitos em ciclos. Eles levam em conta o mês de nascimento para aqueles que não são inscritos no Bolsa Família – esses possuem datas diferentes.

Dessa forma, o recurso vai para Conta Poupança Social e o acesso pode ser feito no aplicativo Caixa TEm. Em primeiro lugar, o recurso deve ser usado para o pagamento de de contas domésticas, compras com cartão de débito virtual e pagamentos em lojas físicas por meio de QR Code.  E, então, é liberado para saques e transferências.

 

Saiba como sacar e transferir o dinheiro

Você pode sacar ou transferir o dinheiro do auxílio emergencial através do aplicativo Caixa TEm. Basta fazer login, clicar na opção de saque sem cartão, para gerar o código de saque. Feito isso, o beneficiário precisa digitar sua senha para ver o código. Logo, utiliza-se o mesmo códigoem caixas eletrônicos ou agências da Caixa para realizar o saque. Ademais, esse código tem validade de uma hora.
Em seguida, para realizar transferência do recurso, o trabalhador deve acessar o aplicativo Caixa Tem e clicar na opção “Transferir dinheiro”. Depois disso, basta digitar os dados da conta bancária que deseja transferir e concluir a operação. Dessa forma, o destinatário pode ser uma conta da mesma titularidade do beneficiário ou de outra pessoa.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O que é auxílio emergencial?

Em suma, o auxílio emergencial é um benefício concedido pelo Governo Federal visando combater a crise causada pela pandemia da Covid-19. Beneficia os trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados. Dentre as exigências para o cadastro, é necessário ter mais de 18 anos (com exceção de mães com menos de 18) e pertencer à família que tenha renda mensal menor ou igual a meio salário mínimo por pessoa, ou cuja renda total seja de até três salários mínimos.

Quanto aos valores, se definiu o pagamento de cinco parcelas de R$ 600 (ou R$ 1200 para mães solteiras). Esse valor foi então reduzido pela metade e será pago até o fim do ano (em parcelas de R$ 300).

VEJA O CALENDÁRIO DO AUXÍLIO EMERGENCIAL PARA ESSA SEMANA

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes